Cruz é apresentada ao Ministério do Turismo

 

Matheus Augusto

Diversas lideranças se reuniram ontem na Prefeitura para tratar sobre a construção da Cruz de Todos os Povos. A apresentação contou com a presença da coordenadora-geral de Mobilidade e Desenvolvimento Urbano do Ministério do Turismo, Thaís Amaral Moura. Todo o projeto, desde a parte estrutural até as questões de acessibilidade ao local, foi abordado.

A cruz terá 73,8 metros, dos quais 12 já foram concluídos. Toda a estrutura será iluminada por LED. Além disso, haverá no local uma casa de oração para os fiéis. Divinópolis fechará a Santíssima Trindade, representando o Espírito Santo. A primeira cruz, Deus Pai, foi concluída em 2010, no Líbano. A segunda, Deus Filho, terminou sua construção em dezembro de 2012, no México.

As obras da Cruz de Todos os Povos local tiveram início em 2017. Doações para ajudar na construção podem ser feitas pela conta da Associação Terra de Deus, na Caixa Econômica Federal (agência: 2986; operação: 003; conta: 00002818-7).

Objetivo

Durante a abertura do evento, a Prefeitura deixou claro que a intenção do encontro era, além de apresentar o projeto à coordenadora-geral, mostrar a importância da obra tanto religiosamente quanto economicamente.

— O objetivo desse encontro é apresentar ao Ministério do Turismo o projeto e, consequentemente, ter a adesão do governo federal a essa iniciativa — explicou.

Galileu

O primeiro a falar foi o prefeito Galileu Machado (MDB). Ele ressaltou que o último ministro do Turismo havia firmado o compromisso de repassar à Prefeitura pedido para as intervenções para o acesso ao local onde a Cruz está sendo construída. Seriam R$ 7 milhões em duas parcelas, uma em 2018 e outra em 2019. No entanto, nenhum dos valores chegou a ser transferido.

O prefeito destacou que a expectativa com a presença da Cruz na cidade é enorme.

— Um empreendimento desse será, sem dúvida alguma, com o turismo e as romarias, de grandes proporções (...). Tenho certeza de que obra será um progresso para Divinópolis  — afirmou.

Galileu lamentou, devido à retenção de repasses por parte do governo estadual, não poder ajudar mais a construção da Cruz.

— Infelizmente, a Prefeitura não pôde dar a contribuição que queria dar para a obra, devido à situação financeira do Município. Eu queria fazer essas obras, está no meu plano de governo. Porém foi levado por água abaixo pela retenção dos repasses — explicou.

Domingos

Além da importância econômica, Domingos Sávio (PSDB) destacou a relevância social-religiosa da Cruz de Todos os Povos.

— Esse projeto tem, sim, a vocação para poder trazer turismo, mas também para fortalecer valores espirituais, que a gente precisa tanto. Sempre precisamos ao longo da humanidade, mas agora de maneira mais vigorosa — destacou.

O deputado também pediu para que o projeto não seja apressado, uma vez que deve ser pensado para os próximos trinta anos.

Além disso, Domingos explicou que é fundamental detalhar e ter todo o cuidado com os aspectos técnicos do projeto para que ele seja apresentado formalmente ao Ministério. O parlamentar contou que tem uma reunião marcada com o ministro Marcelo Álvaro ainda neste mês para tratar sobre a Cruz.

Caso o recurso não seja disponibilizado pelo ministro, o deputado federal afirmou que irá destinar uma emenda parlamentar para a obra. 

Jaime

O ex-deputado federal Jaime Martins (PSD) aproveitou a oportunidade para ressaltar que, uma vez concluída, a Cruz de Todos os Povos tem o potencial de atrair turistas de diversas partes do Brasil e até estrangeiros.

— Ela [Thaís] está em uma posição absolutamente estratégica para nos ajudar a alavancar recursos para concluir esse projeto importante para a espiritualidade universal, para o circuito de fé em Minas Gerais. É um projeto que pode servir como uma revolução, um “milagre” para nossa economia. O aspecto turístico que pode ser gerado por essa obra pode mudar a vida de Divinópolis e região — ressaltou.

Em seu discurso, Jaime também afirmou que é importante compreender o projeto como um legado para a cidade.

— Esse é um projeto de todos, com os olhos de quem vê a história, para a humanidade. Muito importante para nossa cidade e região, pois Divinópolis passará a integrar os grandes circuitos religiosos — destacou.

Por fim, o ex-deputado tem a expectativa de que essa obra, devido à magnitude, não sofra com atrasos.

— Torcemos para ver uma velocidade maior do que a gente está acostumado a ver nas coisas públicas — frisou.

Ministério

Representando o Ministério do Turismo, Thaís ressaltou que umas das metas do governo federal é resgatar os valores cristãos.

— Eu, como católica, me sinto numa missão especial. A questão do turismo religioso faz parte desse novo Governo, para a gente resgatar esses valores. Eu espero que, finalmente, eu possa contribuir para a minha cidade natal — declarou.

Thaís também explicou que, uma vez concluída, a cidade deve crescer dentro do cenário turístico.

— Divinópolis vai entrar em outro patamar com esse projeto — afirmou.

Mudança de planos

O presidente da Associação Terra de Deus, José Geraldo da Silva, destacou que a terceira cruz seria, inicialmente, construída na Armênia. A mudança de local está relacionada ao nome “Cidade do Divino”.

— Quando Jésus Ibanez [presidente da associação na França] ficou sabendo um pouco do perfil da nossa cidade, ele ficou comovido com o nome da cidade e sobre a fé que o município tem — contou.

O vice-presidente da associação, o arquiteto Marco Túlio, declarou que espera que o poder público e a iniciativa privada apoiem o projeto.

— Os doze primeiros metros da Cruz estão prontos, e estamos focando em construir mais 15 (...). Agora a gente espera contar com a ajuda do poder público e das entidades para conseguir levar esse projeto para frente para que a cidade volte a retomar o turismo religioso — afirmou. 

 

 

 

 

Comentários
×