Crise, onde?

Apesar da crise financeira que aflige a todos e o Estado e tem, como uma das consequências, o atraso de salários dos servidores e dívida gigantesca com municípios, os deputados da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) gastaram, entre fevereiro e setembro deste ano, mais de R$ 11,3 milhões com a verba indenizatória O cruzamento de dados foi feito pelo site da rádio Itatiaia.  Prevista na deliberação 2.446 de 2009, a verba indenizatória garante ao deputado até R$ 27 mil por mês para gastos em geral. Acredite! Isso fora o salário.

Sem data

E não pense que alguém abre mão dessa grana vultuosa, que é gasta com aluguel de imóveis, combustível, alimentação, divulgação de atividades e ações do mandato, locação de veículos, contratação de serviços de monitoramento de redes sociais e manutenção de veículos, é muito raro. O montante que não for gasto em um mês pode ser usado posteriormente. E olha que, além dos R$ 27 mil, os parlamentares recebem R$ 25 mil por mês de salário e outros benefícios, como auxílio-moradia de R$ 4.377,73. É muita mordomia com o dinheiro do pobre trabalhador, não é não? Ah, tem um detalhe: sem atrasos.

Pública

A descrição dos gastos da verba indenizatória é publicada todo mês por cada deputado no portal da ALMG. Para chegar ao montante de R$ 11,3 milhões, o site da Itatiaia conferiu, mês a mês, a publicação de cada um, despesa por despesa. O único que não tem gasto listado é o presidente da Casa, Agostinho Patrus (PV). A assessoria da ALMG informou que ele não usa verba indenizatória. Aleluia! Pelo menos um. Não disse que era raro?

Campeão

Somando os valores, realmente nota-se um rombo aos cofres públicos. O campeão da gastança é o deputado Leandro Genaro (PSD), que liquidou, de fevereiro a setembro, R$ 251.445,66, seguido por Wendel Mesquita (SD), R$ 225.276,18, e nosso vizinho Fábio Avelar, (Avante) de Nova Serrana, que registrou gasto de R$ 220.004,52. Na parte de baixo do ranking está o deputado Bruno Engler (PSL), que foi quem menos torrou o dinheiro da verba indenizatória, com consumo de R$ 6.062,92. O representante de Divinópolis, Cleitinho Azevedo (CDN), gastou até o fim do mês passado R$ 60.407,78.  Não ficou entre os líderes, mas também não figurou junto aos mais econômicos. Ah, se o povo tivesse iniciativa de investigar e cobrar! A realidade poderia ser bem melhor.

Pega

Após conseguir derrubar o líder do PSL na Câmara e assumir seu lugar, Eduardo Bolsonaro (SP) correu muito para fugir da imprensa. Ele apareceu do nada no Plenário da Câmara e fez uma fala breve contra o Foro de S. Paulo. Quando a imprensa tentou abordá-lo, ele correu desenfreadamente por três anexos do Congresso Nacional. Esbarrou-se em muita gente, seu segurança derrubou um celular no caminho e, no final, escapou pelas escadas que dão acesso ao anexo quatro da Casa. Quem viu disse que a fuga foi cinematográfica. Resta saber de que ele estava fugindo, ou seria de quem?

Cone

E a saída repentina do delgado Waldir da jogada ainda causa especulação e, principalmente, críticas. O líder do PSL no Senado, major Olímpio (SP), disse que a tentativa de colocar o filho do presidente na liderança do partido na Câmara "apagou incêndio com gasolina". Afirmou ainda que Eduardo não tem apoio para permanecer no cargo e um cone venceria uma disputa com ele. Se as lideranças da sigla falam isso, a coisa parece ser mais séria do que se pensa. Agora, a maratona de Eduardo nos corredores começa a fazer sentido.

Emplacou

Itapecerica saiu na frente e cerca de R$ 500 milhões deverão ser movimentados em aproximadamente dez anos com a implantação de um Parque Empresarial em Marilândia, distrito do Município. De acordo com o diretor executivo da Agência de Desenvolvimento Sustentável do Vale do Pará (ADS), José Elísio Batista, uma das organizações à frente do projeto, o empreendimento prevê, entre outros, um centro tecnológico que será a âncora do parque, campo de golf, lago, resort e fazenda com produção de energia fotovoltaica. Será uma espécie de minicidade.  Mexe com a família Batista! Quando o assunto é competência, é com eles mesmo.

Comentários
×