Criminosos mortos pela PM em Brumadinho são de Divinópolis

Assaltantes explodiram uma agência bancária e depois trocaram tiros com os policiais; dois foram presos

Gisele Souto 

O grupo de criminosos que tentou explodir uma agência bancária em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, são moradores da região dos bairros São José e Belvedere em Divinópolis. Após serem flagrados pela Polícia Militar (PM), eles atiraram contra os policiais. Na troca de tiros, três morreram e dois foram presos. O ataque ocorreu na madrugada de ontem em mais um crime conhecido como o do "novo cangaço" em Minas Gerais. Moradores da cidade, que ainda vivem o trauma causado pelo rompimento da barragem, passaram por momentos de terror.

De acordo com informações da PM, os assaltantes explodiram caixas eletrônicos da agência da Caixa Econômica Federal (CEF) no Centro da cidade. No entanto, o serviço de inteligência já tinha identificado a possibilidade da ação criminosa e surpreendeu o bando.

Os três assaltantes que foram atingidos morreram durante atendimento médico. Outros dois invadiram uma casa e fizeram três pessoas de uma família reféns. Após negociação, eles se entregaram e foram presos. Além da família, um homem foi feito refém no começo da ação criminosa.

Materiais e ficha 

Com o grupo criminoso foram apreendidos quatro pistolas, uma escopeta e um colete à prova de balas.

Ainda segundo a PM, todos os envolvidos possuem extensa ficha criminal.

Ligação 

A suspeita é de que o grupo seja ligado aos presos pela operação "Cangaço", deflagrada no último dia 31, em Divinópolis, quando foram presos cinco suspeitos também de explosões a caixas eletrônicos. A coordenação foi Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) com sede em Pouso Alegre, Sul de Minas, que teve o apoio do Gaeco em Divinópolis, coordenado pelo promotor Leandro Wili. As Polícias Militar e Civil, que também são integrantes do grupo, realizaram uma varredura em Divinópolis nestes mesmos bairros, além do Catalão, todos na região Sudoeste da cidade, além do bairro Danilo Passos e Ermida. 

No dia, foram cumpridos nove mandados de prisão e dez de busca e apreensão. Foram capturados cinco suspeitos e um conseguiu fugir. Três já estão presos, um em Itaúna e dois em Francisco Sá, no Norte de Minas.

As investigações duraram seis meses.

Operação

A operação teve como meta  combater uma organização criminosa especializada em roubos a bancos, com uso de explosivos e armas de grosso calibre. Os mandados de prisão preventiva foram expedidos pela 2ª Vara da Comarca de São Gonçalo do Sapucaí, também região Sul. Foi nesta região do estado que o grupo atuou nos crimes. Parte dele, que continuava solta, é suspeita de ter cometido o ataque na madrugada desta sexta em Brumadinho. 

Crimes e envolvidos

Segundo as apurações do Gaeco, os suspeitos de Divinópolis presos no dia 31 de julho estão diretamente envolvidos com os roubos em agências bancárias ocorridos em pelo menos quatro municípios mineiros, entre eles São Gonçalo do Sapucaí, em 15 de janeiro deste ano; Elói Mendes no dia  3 de abril; Campo, 5 de maio; e Pedralva em 6 do mesmo mês.

O grupo que atacou a agência da Caixa em Brumadinho era composto por cinco integrantes. A suspeita da polícia é que o grupo criminoso tem agido em outros municípios depois que as forças de segurança em Divinópolis fecharam o cerco contra o bando.

Comentários
×