Crevisa sofre ‘ataques constantes’ de ONGs protetoras, diz Prefeitura

Ricardo Welbert

Quatro dias após o Agora divulgar os resultados de 14 exames feitos por uma veterinária e um biólogo do Centro Universitário de Formiga (Unifor) em carcaças de animais submetidos a eutanásia no Centro de Referência de Vigilância em Saúde Ambiental (Crevisa) de Divinópolis e que mostram que alguns animais não tinham leishmaniose, como o órgão divinopolitano havia informado, uma nota com esclarecimentos foi divulgada ontem.

De acordo com o Crevisa, os laudos de necropsia realizados a pedido do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) apresentaram dados divergentes ou não conclusivos e não descaracterizaram a necessidade da eutanásia realizada, uma vez que a divergência considera apenas que dois animais apresentaram resultado negativo para leishmaniose visceral canina.

— O motivo apresentado na ficha de atendimento do veterinário responsável foi o sofrimento e a fase terminal de doença e não necessariamente leishmaniose visceral canina. Os exames de DPP [sigla do inglês Dual Path Platform] são realizados sempre a título de estatística epidemiológica — diz o Crevisa.

Perseguição

O órgão afirma ainda que tem sido alvo de “ataques constantes” por parte de organizações não governamentais (ONGs) ligadas à proteção de animais que discordam da forma como o centro de referência atua e, por isso, já denunciaram o órgão ao MPMG por várias vezes.

— Em todas as vezes, comprovou-se que o Crevisa age dentro da legislação vigente e todas as denúncias foram arquivadas — ressalta.

A Secretaria de Saúde (Semusa), que administra o Crevisa, reafirma que colavora com a investigação e que continuará atuando com ética e de acordo com a legislação.

Outros lados

Procurado pela reportagem para comentar a desqualificação dos resultados pelo Crevisa, o Unifor não respondeu até o fechamento desta matéria, às 18h.

Já o promotor Leandro Wili, do MPMG, que determinou a realização dos exames no Unifor, diz que a crítica feita pelo Crevisa não influencia na apuração dos fatos.

— Vamos anexar ao inquérito. Isso não muda nossa linha de investigação — afirma.

Ainda segundo Wili, existem “divergências graves” nos 14 laudos. Por isso, ele pretende intimar membros do Crevisa a depor sobre os casos. Ele também pretende ouvir a equipe de laboratório da Unifor. As conversas, afirma, então sendo agendadas por ele para depois de domingo, 20.

Sobre a perseguição que o Crevisa afirma sofrer por parte de ONGs, Josiane Barreto Assunção, presidente da Sociedade Protetora dos Animais de Divinópolis (Spad) nega.

— A Spad já denunciou o Crevisa ao MPMG por duas vezes. A primeira foi sobre medicamentos vencidos. A segunda foi sobre os cães que voluntárias nossas fotografaram dentro de freezers e que são o assunto desses laudos do Unifor. Apenas cumprimos o nosso papel, que é de acompanhar a elaboração e a realização de políticas públicas voltadas aos direitos dos animais. Se o poder público não quer ser denunciado, que faça bem feito o que lhe cabe. Continuaremos fiscalizando — finaliza.

Leia também 

Nem todos os cães mortos no Crevisa tinham leishmaniose, mostram laudos
Laudo contradiz versão do Crevisa sobre cães sacrificados 
Crevisa devolve cães às ruas do bairro Niterói 
BO sobre ‘invasão’ ao Crevisa inclui acesso a documentos 
‘Invasão’ ao Crevisa vira caso de polícia 
Protetores de animais invadem Crevisa, diz Prefeitura 
Vereador cobra apuração de supostos maus-tratos a animais pelo Crevisa

Comentários
×