Crescem as vendas de seminovos

Acumulado de carros usados vendidos neste ano registrou aumento de 9,29%

Jorge Guimarães

O comércio de carros usados registrou em 2016 um aumento simbólico de apenas 0,01% nas vendas em comparação a 2015. Em se tratando de usados no geral – incluindo, por exemplo, motos e caminhões – o resultado foi desfavorável e o mercado não conseguiu se recuperar, vendendo dez mil veículos a menos em relação ao ano anterior.

Os números negativos, porém, parecem ter ficado no passado até julho deste ano, quando 450 mil carros usados a mais foram vendidos se comparado à mesma época no ano passado.

Em meio à economia ainda frágil, o mercado de usados começa a se recuperar depois de dois anos de retração. O número acumulado de carros usados vendidos neste ano registrou, em julho, um aumento de 9,29% em relação ao mesmo período de 2016.

Segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), é o maior crescimento do mês desde 2011, quando foi computado um aumento de 9,42%.

Números

A evolução no comércio dos usados é sinal de que o brasileiro não deve parar de comprar carros. Entretanto, os automóveis de segunda mão atualmente são a opção mais pretendida pelos consumidores. De janeiro a julho, a venda de usados, incluindo motos, cresceu 7,9% enquanto a de novos caiu 4,9%, segundo a Federação Nacional das Associações dos revendedores de Veículos Automotores (Fenauto), que representa as lojas de veículos usados.

Financiamentos

A indústria do automóvel foi uma das que mais sofreu com a crise econômica do país. Mas, este momento se mostra o mais favorável as montadoras. Assim, ao analisar o acumulado de janeiro a julho, é a primeira vez em seis anos que as vendas de carros financiados aumentam.

No ano passado, em igual período, os números de financiamentos de veículos foram de 2,641 milhões. Em 2017, eles já batem 2,847 milhões, representando um crescimento de 8%.

Hoje, as vendas financiadas representam quase 30% do total. Um dos atrativos tem sido a taxa de juros que chegou a 2,15% – a mais baixa em dois anos.

Divinópolis

Nas revendas de seminovos da cidade, agosto foi bom em relação ao mesmo período do ano passado. As vendas estão voltando à sua normalidade dentro de um aspecto que ainda tende a melhorar.

— As vendas reagiram um pouco em agosto. O mês fechou com uma média de 70 carros vendidos, o que nos deixa otimistas quanto aos próximos meses — avaliou Sérgio Lafaiete da Silva, gerente de uma revenda de carros da cidade.

Já para o vendedor de outra empresa especializada no ramo, Thiago Ferreira, o crescimento deu um sinal de vida ao setor.

— As vendas que antes estavam quase que paradas deram um bom sinal no último mês. Uma das questões foi a queda da taxa de juros, que facilitou em muito as negociações — analisou.

Pé no chão

Quem também está ganhando são as casas de peças, pois em tempos de vacas magras o jeito é consertar o que se tem na garagem.

— Mesmo com as facilidades nos financiamentos, prefiro ficar com o pé no chão. Tenho um Monza 2005 e vou fazendo a manutenção necessária para que ele não me deixe não mão — disse o operador de caixa Wilson Gonçalves.

Comentários
×