CREPÚSCULO DA LEI – XXVI*: LEIS DO PODER

Domingos Calixto

Depois de muita pesquisa histórica, muitas confrontações teóricas de sociologia e inúmeras reflexões filosóficas, o escritor Robert Greene publicou o livro “As 48 Leis do Poder”, praticamente um manual do maquiavelismo renovado, um guia fundamental para as práticas da dissimulação, da traição e do fingimento para obter-se o sucesso a qualquer custo. Enfim, um manual do mau-caráter.

        Para se ter uma breve ideia, eis aqui escolhidas (!) treze das quarenta e oito leis do poder:  

  1. I. Não confie demais nos amigos. Aprenda a usar os inimigos; II. Faça os outros trabalharem por você, mas sempre fique com os créditos; III. Aprenda a manter as pessoas dependentes de você; IV. Ao pedir ajuda, apele para o egoísmo das pessoas, jamais para sua misericórdia ou perdão; V. Aniquile totalmente o inimigo; VI. Não se comprometa com ninguém; VII. Faça-se de otário para pegar os otários e pareça mais bobo que o normal; VIII. Use a tática da rendição: transforme a fraqueza em poder; IX. Desperte a fantasia das pessoas; Despreze o que não puder ter: ignorar é a melhor vingança; XI. Pense como quiser, mas comporte-se como os outros; XII. Ataque o pastor e as ovelhas dispersam; XIII. Evite ter uma forma definida.

Tome-se, por exemplo, a lei treze que fala sobre evitar ter uma forma definida. Significa que, quando se assume uma forma única e definitiva, também se fica exposto ao ataque variado dos inimigos, já que a estabilidade se torna um status previsível a ser conflitado facilmente pelos oponentes. Pela regra estabelecida, não se deve manter uma estabilidade comportamental ou uma ordem permanente de condutas, individual ou coletivamente. O livro cita como exemplo as cidades-estados da Grécia antiga, oitocentos anos antes de Cristo, especificamente Esparta e Atenas.

Esparta não tinha acesso ao mar e, cercada por montanhas, conseguiu se estruturar mediante conflitos brutais e violentos com inimigos diversos que duraram mais de cem anos. Como forma de se manterem fortes e livres, os espartanos escolheram a arte do combate e da guerra. Optaram por serem os mais violentos e temidos guerreiros do mundo conhecido, mediante um duro treinamento aos meninos que começava já aos sete anos de idade, inclusive com extermínio sistemático dos fracos e inválidos. E conseguiram.

Claro que a guerra com Atenas era inevitável e ela aconteceu, tendo durado vinte e sete anos. Esparta venceu e firmou-se como um grande império, mas preparado apenas para o combate. Ocorre que o dinheiro, práticas e estilos de vida atenienses se apresentaram bem mais sedutores aos espartanos que a constante disciplina guerreira, o que acabou por gerar conflitos, ganâncias e corrupção. Esparta não estava preparada para isso e foi perdendo poder até entrar em colapso, para nunca mais recuperar. Esparta foi derrotada pela sua própria rigidez comportamental.

Assim, segundo as orientações da obra, quem quiser construir seu próprio mecanismo de poder deve abdicar-se de conceitos rígidos, de comportamentos previsíveis e abandonar conceitos como bom ou mau, ou mesmo bem e mal: são meras conveniências semânticas. Além disso, é de suma importância controlar as emoções para desenvolver a arte da dissimulação e do fingimento. As pessoas dissimuladas transitam com mais facilidade numa vasta variedade de ambientes. E, finalmente, é necessário abandonar quaisquer princípios éticos. Ter ética pode levar a pessoa a todo tipo de fraqueza, inclusive em relação a si mesmo.

É por isso que se ensinam coisas, mas as coisas ensinadas não se aplicam a todos, principalmente àqueles que detêm o poder, e isso vale para qualquer coisa mesmo, desde a própria ética, a filosofia, o direito e até mesmo religião, segundo o livro. Qualquer semelhança com as práticas de poder em andamento no Brasil atualmente, não se pasmem! E também não é mera coincidência. É que, além do Brasil não estar preparado para muitas coisas, essas leis, segundo o autor, funcionam mesmo!

(*) Dedicado a José de Oliveira Fagundes, ilustre advogado de Tiradentes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários
×