CPI dos Áudios realiza acareação entre depoentes

Da Redação

Os vereadores que compõem a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Áudios, que apura denúncias de possíveis irregularidades na nomeação de cargo de confiança na Prefeitura de Divinópolis, realizaram na tarde desta sexta-feira, 19, uma acareação entre os depoentes Marcelo Máximo de Morais (Marreco) e o jornalista Geraldo Passos. As informações são da Câmara Municipal de Divinópolis.

Após rever alguns pontos nos depoimentos de ambos os convocados, o presidente da CPI, Ademir Silva, o relator Renato Ferreira e os membros Raimundo Nonato e Edson Sousa, sentiram a necessidade de se realizar uma acareação entre os dois para esclarecer algumas dúvidas.

O primeiro a se manifestar foi o vereador Renato Ferreira, que iniciou perguntando a Marcelo Máximo sobre quem teria lhe entregado o dito decreto Nº12.914/2018, da nomeação ao cargo de coordenador de abastecimento e segurança alimentar junto à Secretaria de Agronegócios.

O depoente Marcelo Máximo voltou a dizer que: “estiveram na minha casa, às 19h45 do dia 23 de abril de 2018, os servidores da Prefeitura: Raquel, Roberto; e o senhor Geraldo Passos. No dia, o Geraldo Passos estava no banco de trás do carro, e eu pedi pra ele tirar uma foto do decreto e me enviar pelo celular”, disse Marreco. Já o jornalista Geraldo Passos negou a afirmativa de Marreco, e disse que não havia nenhum decreto.

O próximo a esclarecer alguns pontos foi o vereador Edson Sousa, questionando o que o motivou a fazer a denúncia na Tribuna Livre, e quais seriam as contradições que Marcelo identificou ao longo dos depoimentos.

— Eu quero deixar claro que durante todos estes anos que eu vivo no meio político, eu nunca pedi nenhum cargo pra ninguém. Este decreto foi SIM, levado a minha casa porque eles não queriam que eu utilizasse da Tribuna Livre desta Casa — reforçou.

Sobre a versão de Roberto, Raquel e Geraldo Passos terem ido à casa de Marreco, ambos confirmaram, porém discordaram sobre a situação de ter sido levado ou não o decreto naquela data. Geraldo Passos negou veementemente que não tirou foto de nenhum decreto no dia 23 de abril de 2018.

Questionados sobre qual dos dois teria ligado pro outro primeiro, ambos confirmaram que tinham o hábito de manter contato por questões políticas, porém, Geraldo alegou não se lembrar quem tinha ligado primeiro naquela data, mas que acreditava ter sido Marreco.

Já Marcelo Marreco, foi enfático ao responder que está claro nas gravações que foi Geraldo quem ligou pra ele. Assim como também está gravada a ligação que ele (Marcelo) recebeu do prefeito Galileu.

Por fim, o Presidente da Comissão encerrou a acareação e aproveitou para anunciar que já foi lido em plenário o pedido de prorrogação da CPI por mais 30 dias.

Comentários
×