CPI da Copasa volta a ouvir consumidores; assista à íntegra

Ricardo Welbert

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada na Câmara de Divinópolis para apurar indícios de irregularidades na prestação de serviços e no cumprimento do contrato firmado entre a Companhia de Saneamento (Copasa) com a Prefeitura teve mais uma rodada de depoimentos na tarde desta segunda-feira, 24. A sessão foi pública. 

Foram convidados nove consumidores que reclamaram ao Legislativo sobre a qualidade de serviços prestados pela empresa entre agosto e outubro de 2017, mas só seis compareceram. Foi a segunda etapa de oitivas com membros da população. Na sexta-feira, 24, cinco cidadãos foram ouvidos.

Os depoimentos começaram com as declarações de Irineu Alcides Pereira, ex-funcionário da Copasa e morador do bairro Dona Rosa. O aposentado disse que trabalhou na companhia por 27 anos e que após sair percebeu queda na qualidade dos atendimentos.

— Fiquei sabendo que será construído um reservatório da modalidade R2 para atender à região do Serra Verde. Mas, pelo que eu entendo do serviço, caso isso realmente aconteça, os bairros Candelária e Bom Pastor correrão o risco de ficar sem água — disse, acrescentando que na região onde mora já ocorreu de todo o bairro ficar sem água por três dias e que já passou mal algumas vezes em virtude da água com barro que tem chegado.

Ele afirmou que falta infraestrutra aos funcionários.

— A população está sendo roubada. As pessoas estão pagando pelo ar no encanamento. Posso afirmar que não existe troca de hidrômetro e por diversas vezes enquanto funcionário precisei zerar os relógios. Se for necessário, faço uma demonstração em plenário aos vereadores — frisou.

Santa Clara

A segunda pessoa ouvida foi Maria Regina Rodrigues, do Santa Clara. Além de reclamações contra a qualidade da água, ela informou que recebeu uma conta prevendo seus gastos no próximo mês de dezembro com data de vencimento em janeiro de 2018. 

— Registramos a mortandade de animais ao redor do rio Pará, a mortandade de peixes, e a proliferação dos águapés causados pelos efeitos de despejamento do esgoto no rio e até hoje nenhuma denúncia foi acatada — reclamou.

Ainda de acordo come ela, o governo municipal errou ao entregar a concessão do serviço à Copasa e o melhor a se fazer seria o cancelamento do contrato. Finalizou dizendo que outras falhas vêm do governo estadual.

Ermida

Representando o bairro Santo Antônio dos Campos (Ermida), Márcio da Silva disse aos vereadores que nesta semana os moradores ficaram sem água.

— Há anos foi afixada uma placa lá em Ermida dizendo das obras de uma ETE [Estação de Tratamento de Esgoto] que não existe. Só tem a placa de obra e não tem nada. Disseram por último que a previsão é para começar daqui a seis meses. E nós já estamos pagando os 90% na conta sem ter tratamento nenhum — disse.

Segundo informações do morador, no local há apenas um centro de tratamento do esgoto. Por seu ponto de vista, seria melhor se a Copasa tivesse deixado a região como era antigamente, no regime de fossas, pois esse contrato não trouxe benefício ao Ermida.

Mar e Terra

Na sequência foi a vez de Graciete Correia, moradora do Mar e Terra. Ela disse que ao registrar reclamações na Copasa, houve um momento em que foi coagida pela administração da companhia.

— Eles disserem que se eu quisesse, poderia entrar na Justiça contra a empresa, pois eles tem 30 advogados e que eu não teria chances nessa causa. Uma empresa que presta um serviço péssimo e que não avisa com antecedência da falta de água — criticou.  

Centro

Já Antônio Dias Barbosa, do Centro, disse que nos seis últimos meses tem recebido água com aparência de barro, além de ter sido vítima de viroses e diarreia.

— Há 40 anos eu cheguei a beber água desse rio Itapecerica. É inacreditável ver como ele está atualmente, pois a Copasa não faz investimento nenhum para conservar nossas nascentes — pontuou.

Esplanada

O ambientalista Jairo Gomes, do Esplanada, encerrou com relatos de estudos que já fez no rio Itapecerica, que recebe o esgoto da cidade.

— O que alimenta os córregos e os rios hoje é o esgoto. É preciso criar barragens ao longo dos córregos para reter água. Como é um volume muito grande de sujeira, os leitos dos córregos estão cheios de algas. O rio virou um caldo cheio de aguapé e sem vida — afirmou. 

Avaliação

Essa foi a segunda etapa de oitivas com representantes da população. Na sexta-feira, 24, cinco outros cidadãos foram ouvidos. De acordo com o presidente da CPI, Sargento Elton, os depoimentos foram proveitosos.

— Provas contundentes do mal atendimento da Copasa, inclusive com apresentação de laudo médico de um dano à saúde causado pela ingestão da água supostamente tratada — comenta.

Nas próximas etapas deverão ser ouvidos os prefeitos de Bom Despacho e Pará de Minas – cidades que suspenderam os contratos com a Copasa. Depois ainda serão ouvidos ex-prefeitos de Divinópolis e o atual, Galileu (PMDB).

Outro lado 

Por meio de nota, a estatal informou que "sempre prestou e continuará prestando todas as informações necessárias para esclarecer as questões relativas à prestação dos serviços de abastecimento de água e do esgotamento sanitário em Divinópolis.  

Clique no play abaixo para assistir à íntegra

 

Saiba mais

Falta de água, possível contaminação e tratamento de esgoto: o que disseram os cidadãos ouvidos na CPI da Copasa 
População de Divinópolis é ouvida na CPI da Copasa
CPI da Copasa ouve representantes da Arsae em Divinópolis; assista
CPI quer condução coercitiva de diretor-geral da Arsae 
CPI ouve órgãos ambientais em dia marcado por queixa oficial
Copasa não tem licença para tratar água em Divinópolis, apura CPI
Começa reunião com órgãos ambientais na CPI da Copasa
Órgãos ambientais falam à CPI da Copasa nesta segunda, 9
CPI ouvirá ex-prefeitos sobre a Copasa
De novo líder do governo a negação de CPI: o que disseram os vereadores de Divinópolis nesta quinta-feira, 28
Charge: CPI da Copasa
Charge: transparência na CPI
Copasa se manifesta sobre abastecimento e CPI
Definidos cargos para CPI contra a Copasa em Divinópolis
Vereadores definem nomes para CPI contra a Copasa em Divinópolis

 

Comentários
×