Coronavírus: Suspeitas de infectados seguem subindo

Maria Tereza Oliveira

Divinópolis ainda conta, oficialmente, com somente um caso de coronavírus (Covid-19), mas este número pode mudar a qualquer momento. O Agora entrevistou uma pessoa pré-diagnosticada com a doença, além disso, uma família luta para conseguir testar uma criança de dois anos e 11 meses, com sintomas do Covid-19. Até ontem, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), o município tinha um caso confirmado, 11 em análise e três descartados. Além disso, conforme fontes do Agora, duas pessoas estão internadas no Centro de Terapia Intensiva (CTI) de um hospital particular com fortes sintomas da doença. Material para análise seria colhida ainda ontem.

Enquanto isso, como forma de prevenção, a Câmara anunciou que a partir desta semana as reuniões serão realizadas com portões fechados

Pré-confirmação

Diversas escolas e universidades anunciaram a suspensão das aulas presenciais a partir de amanhã. Dentre elas está a Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), de onde veio a potencial nova confirmação da cidade.

Trata-se de uma aluna do curso de bioquímica. O Agora entrou em contato com a acadêmica, que confirmou o pré-diagnóstico.

— Eu sou um dos casos que foram pré-diagnosticados como positivo, mas o exame definitivo ainda não saiu — alertou.

A aluna está em quarentena e contou que a instituição de ensino à qual pertence lhe prestou total apoio.

— Me deram todo o suporte, desde professores a diretores. Me ofereceram ajuda de todas as formas possíveis e sou muito grata — pontua.

Sem diagnóstico

Porém, nem todos estão conseguindo se testar. Michelle Silveira revelou ao Agora que o filho, João Gabriel, de dois anos e 11 meses, portador de síndrome de Down – com baixa imunidade – está com os sintomas do coronavírus desde a última quinta-feira, 12, no entanto, não conseguiu realizar o teste em laboratórios da cidade.

— Após levá-lo a um hospital e ser orientada a fazer exames, inclusive do coronavírus, fui até um laboratório. Quando cheguei ao laboratório, fui informada que não iria conseguir realizar o teste do Covid-19 porque não há kits. Eu fui ligando em outros, que me informaram o mesmo. Se eu quisesse realizar o exame teria de ir a Belo Horizonte, ou esperar — revelou.

Enquanto isso, seu filho, assim como toda sua família, seguem de quarentena.

— A minha outra filha, que estuda na UFSJ, também está passando mal com sintomas, por isso estamos todos isolados — lamentou.

Ela também contou que João teve contato com idosos, antes de desconfiar do Covid-19. Michelle alegou ter avisado todas as pessoas com quem teve contato sobre a possibilidade de contaminação. Questionada pela reportagem, Michelle revelou que não procurou a rede pública de saúde.

Mais suspeitas

Fontes informaram ao Agora já na noite de ontem que duas pessoas estariam no CTI de um hospital particular com sintomas de coronavírus. Porém, pelo horário em que a reportagem teve acesso à informação, não foi possível confirmar com a direção da unidade de saúde. No entanto, a fonte garante que estava no local na hora do alvoroço para internar os pacientes.

O Agora questionou o secretário de Saúde, Amarildo Sousa sobre as novas suspeitas. Ele revelou que em nenhuma das suspeitas, as informações foram repassadas à Semusa. O secretário diz acreditar que o hospital e pacientes suspeitos aguardam a confirmação laboratorial antes de repassar os possíveis casos ao Município.

Multiplicação

Em uma semana, o número de infectados pelo coronavírus aumentou quase dez vezes no país. Até a segunda-feira, 9, o Brasil contabilizava 25 casos. Ontem, o Ministério da Saúde revelou 234 confirmações. A doença – agora classificada como pandemia – se espalhou por países da Ásia e Europa, mas também chegou aos países do hemisfério sul, como no caso do Brasil. Divinópolis foi a estreante no Estado, com a confirmação no domingo, 8.

Alguns métodos são usados com o intuito de evitar o contágio por coronavírus. O principal é referente a locais públicos ou com grande aglomeração de pessoas.

Os cuidados são os mesmos das síndromes virais. Caso a pessoa apresente sintomas, a recomendação é repouso, hidratação, usar o álcool em gel 70% para higienização das mãos e procurar uma unidade de saúde caso o quadro se agrave.

Mudanças na rotina

Desde que o vírus chegou e começou a se espalhar pelo país, várias mudanças ocorreram. Campeonatos esportivos, assim como eventos foram suspensos e muitas empresas adotaram o home office. Até mesmo a programação de emissoras de TV sofreu alteração. Em Divinópolis, a manifestação marcada para o último domingo, 15, em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi cancelada pelos organizadores, no entanto, algumas pessoas ainda compareceram à praça do Santuário.

Na semana passada, a Semusa recomendou à Prefeitura para suspender por tempo indeterminado reuniões e capacitações com mais de 20 pessoas, agora esta reco.

A Portaria CM 049/2020 prevê, entre outras medidas turnos de trabalho das 9h às 15h e entre 12h e 18h, e a manutenção das reuniões ordinárias legislativas, bem como as reuniões de Comissões Permanentes, mas de forma restrita – sem a presença de público no auditório. 

No último sábado, 14, a Câmara já havia editado a Portaria CM 048/2020 com a suspensão de todas as agendas e atividades como audiências públicas, reuniões especiais, solenes, entregas de honraria e eventos da Escola do Legislativo. Com o acesso limitado e as reuniões fechadas, os debates em plenário e as votações podem ser acompanhadas pela população via transmissão da TV, pelo site do Poder Legislativo: www.divinopolis.mg.leg.br e redes sociais (Facebook, Youtube, Twitter e Instagram).

Comentários
×