Controverso

Preto no Branco - Controverso 

Cada um tem seu gosto, sua forma de agir, de viver. Isso é fato. Por esta razão, os pensamentos e os discursos são divergentes. Nesse sentido, é preciso respeitar as opiniões e a forma de viver e agir de forma individual.  O que é controverso é pregar uma coisa e proceder completamente diferente. Novidade não chega a ser, em todos os segmentos neste país, com a predominância da política, é claro. Ultimamente, essa prática tem aumentado e predominado também nos discursos em Divinópolis, seja na Câmara, na Prefeitura ou nas redes sociais. O problema das pessoas que se julgam mais inteligentes e espertas é achar que as outras não percebem o que de fato elas fazem ou pretendem. 

Ridículo 

O Legislativo, em todas as esferas do Poder, é um exemplo de que as discordâncias são normais e devem existir. É comum se ver cada “arranca rabo”, em alguns casos até de se partir para agressão física. Horroroso, mas tolerável quando não sai de lá. Mas, fora do ambiente, seja na rua ou nas redes sociais, é inadmissível que pessoas públicas, representantes do povo, batam boca, muitas vezes usando palavras chulas ou ideologias condenáveis. Na nossa Câmara, o último espetáculo foi protagonizado pelos vereadores Eduardo Azevedo (PSC) e Lohanna França (CDN), escancarado para todo mundo ler.  Claro que um, ao se sentir ofendido, não pensará duas vezes em responder, mas não é o lugar.  Quando se está com a cabeça quente, costuma-se agir com a emoção, é quando a razão desce ralo a baixo. Perderam as estribeiras e ficou feio para os dois mais votados da atual legislatura. Da próxima – não só eles, porque tem mais gente na Câmara e Prefeitura que faz a mesma coisa ‒ contem até 10, tomem um copo de água gelada, antes que a coisa desande de vez. 

Foi para isso?

O problema em situações como essa são as consequências, muitas vezes nada agradáveis. A pergunta que se faz é: vale a pena o desgaste? Ganhar mais seguidores e uns votos minguados? A vereadora Lohanna França entrará, nos próximos dias, com uma denúncia na Comissão de Ética da Câmara contra Eduardo Azevedo. Ela afirma que o vereador participa de campanhas mentirosas contra ela e divulga aos seguidores, por exemplo, que ela é comunista e uma ameaça à família. E Eduardo, como reagirá? Na certa, da mesma forma. E onde isso vai parar? Será que foi para protagonizarem esse tipo de cena é que foram eleitos? Fica a pergunta. 

O que faltava 

E as cenas inusitadas não são exclusividade dos vereadores que representam Divinópolis. Em Itapecerica, a interrupção da reunião ordinária nesta semana chamou a atenção e causou espanto. O vereador Ricardo Guilherme (PL), conhecido como Canela, chamou atenção do presidente da Casa, para reclamar que os colegas não deixaram pão de queijo para ele lanchar. Tem cabimento? Quando a gente acha que já viu de tudo nessa vida, pois não é que surge algo pior?

Só pão de sal 

A conversa foi registrada durante reunião na última segunda-feira, 23. A reclamação foi feita após o presidente da Casa, Gleytinho do Valério (Avante), pedir a Canela que ele fosse mais claro sobre a reclamação que tinha feito minutos antes. “Queria que você explicasse sua revolta. Você veio aqui me cobrar duas vezes.” Ele explicou: “Fui lá tomar café e só tinha pão de sal, o pão de queijo tinha acabado. Você é o presidente e tem que saber disso tudo”, disse. O vídeo viralizou e gerou vários memes nas redes sociais. E não é para menos. Mas, também, o povo elege cada figura. Me poupe! 

Comentários
×