Contas de energias podem subir ainda mais no próximo ano

Com nível das hidrelétricas baixo, bandeira tarifária na cor vermelha deve continuar até dezembro

Contas de energias podem subir ainda mais no próximo ano

Com nível das hidrelétricas baixo, bandeira tarifária na cor vermelha deve continuar até dezembro

Da Redação

O inverno ainda nem terminou ‒ a previsão de encerramento é em 23 de setembro ‒ e agosto já mostra a cara do que podem ser as próximas estações. Como a previsão hidrológica para o próximo mês ainda sinaliza permanência do quadro de estiagem, com vazões baixas, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu manter a bandeira tarifária na cor vermelha até o fim do ano.

Assim, o nível das hidrelétricas deve continuar baixo e, segundo relatório do Operador Nacional de Sistema Elétrico (ONS), todas as regiões do Brasil apresentam os reservatórios com níveis abaixo da média, sendo as regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste com a situação mais delicada. 

E as previsões não são das melhores para o futuro. Além do risco de racionamento de energia e apagões, cálculos preliminares da Aneel apontam que as tarifas de energia podem subir, em média, 16,68% no ano que vem, principalmente por conta da crise hídrica que o país enfrenta ‒ a pior nos últimos 91 anos. 

Economia

Um dos grandes problemas que o governo pode enfrentar é a retomada da economia, devido ao avanço da vacinação, que, mesmo leve, é capaz de comprometer os reservatórios, pois a demanda de água, principalmente nas indústrias, pode afetar todo o sistema. Essas previsões, que já assombram as autoridades, podem vir na hora em que o consumo está aumentando e, com isso, frear o consumidor. Com a energia ficando mais cara, a solução é economizar de toda maneira possível para chegar no fim do mês sem dinheiro no bolso. 

— Lá em casa, a palavra economizar já é usada no nosso cotidiano. Como estamos vigilantes nas contas de energia, agora que vamos apertar mais ainda o cinto — disse a comerciária Elizete Guimarães.

Para o comerciante Waldemir dos Santos, sócio em uma mercearia, o jeito é começar a economizar sempre de alguma forma.

— Sempre neste período de outono/inverno, desligo a metade dos freezers do estabelecimento. Agora temos que nos precaver e ver como podemos diminuir a conta de energia — disse o empresário. 

Reservatórios

Os principais reservatórios operados pela Cemig, na região Centro–Oeste de Minas Gerais ‒ Três Marias e Carmo do Cajuru ‒ encontram-se em situações normais de armazenamento, respectivamente 51,77% e 64,50% de suas capacidades. Já Furnas, segundo o ONS, está com 19,86% de sua capacidade. 

Apesar da natural diminuição do volume útil nos próximos meses de seca, os volumes mais baixos previstos, exceto Furnas, estarão acima de valores já observados em anos anteriores ‒ números que dão certa tranquilidade, pelo menos para a microrregião de Divinópolis

 

Comentários
×