Consumidor arcará com duas altas

 

Jorge Guimarães

O consumidor começará o segundo semestre sofrendo com duas altas em tarifas de importantes serviços. As contas da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) já virão com aumentos nos próximos meses. O reajuste da Cemig será ainda neste mês, e da Copasa, em agosto. As duas alterações foram autorizadas por suas respectivas agências gestoras.   

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou que a bandeira tarifária em julho será amarela, com custo de R$ 1,50 para cada 100 quilowatts-hora consumidos. Julho é um mês típico de estação seca nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN). A previsão hidrológica para o mês sinaliza vazões abaixo da média histórica e tendência de redução dos níveis dos principais reservatórios. Nos últimos dois meses, as tarifas estavam com a bandeira verde, sem custo adicional para o consumidor.

Bandeiras

Criado pela Aneel, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o bom uso da energia elétrica. Com as bandeiras, a conta de luz ficou mais transparente e o consumidor tem a melhor informação para usar a energia elétrica de forma mais eficiente, sem desperdícios.

Com o anúncio da bandeira amarela, é necessário intensificar as ações relacionadas ao uso consciente e ao combate ao desperdício de energia.

Usinas

Em Divinópolis, a reportagem entrou em contato com a Cemig para saber como estão os níveis da usina do Gafanhoto e da barragem de Carmo do Cajuru. A estatal disse que, a primeira, ela opera a fio d’água, ou seja, sem capacidade de armazenamento para geração, operando praticamente com nível constante e com pequena variação no dia a dia. Já em Carmo do Cajuru, o nível está em leve queda, com o valor de 74% de VU e 755,00 m de cota.

Já os reservatórios que abastecem Belo Horizonte, segundo a Copasa, estão com seus níveis em torno de 70% de suas capacidades. 

Água

A Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário de Minas Gerais (Arsae-MG) autorizou ontem a Copasa a aumentar suas tarifas em média 8,38% a partir de agosto. Praticamente o dobro do reajuste de 4,31% concedido no ano passado.   

Em nota, a agência explicou que considera o impacto da inflação nos mais variados custos do prestador de serviços, como energia elétrica, combustíveis e gastos com pessoal. Essa projeção é feita com base na inflação dos últimos 12 meses.

 

Comentários
×