Construtores reavaliam negativamente projeções

 

Pablo Santos

Depois de um janeiro caminhando para o otimismo, a sondagem da indústria da construção de Minas Gerais apontou recuo mais intenso da atividade em fevereiro. Conforme pesquisa do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG) e da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), o indicador continuou abaixo de 50 pontos, sinalizando queda do emprego.

No começo do ano, os construtores esperam avanço do nível da atividade, das compras de insumos e matérias-primas, dos novos empreendimentos e serviços, e das contratações nos próximos seis meses.

— Ressalte-se, contudo, que os empresários do setor reavaliaram negativamente suas expectativas, o que resultou em menor otimismo e expressiva redução da intenção de investir frente à pesquisa anterior — afirmou o estudo da Fiemg

O indicador de atividade da construção registrou 44,6 pontos em fevereiro, decréscimo de 1,4 ponto na comparação com janeiro (46,0 pontos). Ao distanciar-se da linha de 50 pontos – fronteira entre queda e aumento – o índice sinalizou retração mais acentuada da atividade. 

— Apesar do recuo, o resultado foi 4,3 pontos superior ao apurado em fevereiro de 2018 (40,3 pontos) e o mais elevado para o mês desde 2013 (49,0 pontos) — ressaltou a pesquisa.

O indicador de atividade em relação ao usual caiu 5,5 pontos na passagem de janeiro (38,4 pontos) para fevereiro (32,9 pontos) e apontou nível de atividade inferior ao usual para o mês.

Segundo mês

Em relação a fevereiro de 2018 (28,6 pontos), o índice avançou 4,3 pontos, e foi o mais alto para o mês em cinco anos.

O indicador de evolução do número de empregados aumentou 1,6 ponto frente a janeiro (40,7 pontos) e marcou 42,3 pontos em fevereiro. O resultado – inferior a 50 pontos – sinaliza queda do emprego. Contudo, o índice cresceu 6,6 pontos na comparação com fevereiro de 2018 e foi o melhor para o mês em cinco anos, mostrando que o recuo do emprego em 2019 foi menos acentuado do que em fevereiro de 2015 a 2018.

 

Comentários
×