Construção começa ano otimista, cai e volta a crescer

Emprego na cidade fechou com números negativos nos primeiros 10 meses

Pablo Santos

A construção civil em Minas Gerais começou o ano otimista, mas perdeu fôlego no segundo mês com as incertezas. Agora, no fim de 2019, o cenário voltou a ficar positivo. Em Divinópolis, a situação do emprego é negativa, de acordo com o Ministério da Economia.

Em janeiro, os índices da Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais revelaram que a atividade e o número de empregados continuam em queda. Mesmo assim, os empresários permaneceram otimistas com relação aos negócios do setor nos próximos seis meses.

Já em fevereiro, a Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais apontou recuo mais intenso da atividade. O indicador de evolução do número de funcionários, apesar da pequena melhora em relação a janeiro, continuou abaixo de 50 pontos, sinalizando queda do emprego.

Março apontou queda mais intensa da atividade e do número de trabalhadores. No primeiro trimestre do ano, os empresários revelaram insatisfação com a margem de lucro operacional, com a situação financeira e com o acesso ao mercado de crédito.

Em abril, a Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais apontou retração da atividade e do número de empregados. Apesar da queda menos intensa na comparação com os índices apurados em março, o nível de atividade das construtoras continua bem abaixo do usual para o mês.

Já maio registrou queda mais intensa da atividade e do número de empregados, frente a abril. Em seguida, o otimismo dos empresários com relação ao nível de atividade, às compras de insumos e matérias-primas, aos novos empreendimentos e serviços e ao número de empregados cresceu em julho. Os indicadores registraram o maior patamar para o mês em sete anos. As intenções de investimento também aumentaram, após dois meses de queda.

A pesquisa da Fiemg apontou queda da atividade em outubro, após dois aumentos consecutivos. O número de empregados também caiu, mas registrou o maior índice para o mês em sete anos.

Os empresários do setor mantiveram o otimismo com relação à atividade, à oferta de novos empreendimentos e serviços e ao número de empregados nos próximos seis meses. As intenções de investimento aumentaram pelo terceiro mês sucessivo, e foram as mais elevadas para novembro desde o início da série histórica, em 2013 — afirmou a nota técnica.

Emprego

De janeiro a outubro, foram fechadas na cidade 76 vagas com carteira assinada na construção. No mesmo período do ano passado foram criadas 28 oportunidades formais, apontou o Ministério da Economia.

Comentários
×