Confuso

O momento vivido pela candidatura de Jair Bolsonaro é confusa, pois ele não admite concessão a qualquer partido que queira lhe fornecer o vice. O PR de Valdemar da Costa Neto bem que se arvorou em dar o nome, mas queria algo em troca, o que o candidato rechaçou. “A intenção”, diz o presidenciável, “é montar uma chapa que defenda os interesses do país e não de qualquer partido. E não será por alguns segundos a mais de TV que haverá concessões ou distribuição de cargos”, sapecou. 

Convicção 

O nome de Janaína Paschoal, hoje filiada ao mesmo partido de Bolsonaro, é muito bom e, sem qualquer exigência, ela está pedindo tempo apenas para se refazer do susto pelo convite. A advogada, que tanto lutou pelo impeachment de Dilma Rousseff, não é militante política, mas conhece as regras e imagina as dificuldades de campanha eleitoral. Após a recusa do principal nome para vice, o senador Magno Malta preferiu se recandidatar ao Senado, mas continuará na campanha, embora o partido dele não esteja apoiando o até agora candidato número um em qualquer pesquisa, seja pelos institutos ou pelas mídias. Nos levantamentos sérios, onde não há maracutaia, a diferença é enorme. 

Galileu ganhou a primeira

Depois das fanfarronices apresentadas na primeira edição da reforma administrativa, com modificações salariais, o prefeito Galileu Machado (MDB) finalmente agradou a grande maioria dos vereadores. Agora, mesmo sem dinheiro em caixa e perspectiva de melhorar o caixa, Galileu terá um pouco mais de tranquilidade para levar o barco. Puxado pelos professores, que, além do aumento salarial muito bom, querem receber o terço das férias que ainda não chegou aos contracheques. Como de costume, o prefeito conversa com lideranças pedindo calma e que a verdade seja dita: não há dinheiro, e não haverá, a não ser que os governos estadual e federal paguem o que devem. Como também por lá não tem dinheiro... 

Vale tudo 

Os advogados do presidiário Lula da Silva apelam por qualquer motivo para tentar a saída do cliente. Agora, citando o caso do prefeito Galileu Machado, que concorreu mesmo estando com a ficha suja e tomou posse, os advogados mais bem pagos do país citam o exemplo de Galileu. Eles sabem, mas não disseram que Galileu conseguiu participar do pleito, porque o “crime” que havia cometido estava prescrito, quando da inscrição da chapa e o desembargador mandou o caso, ainda sub judice para o TSE, que entendeu o certo, isto é, que o atual prefeito de Divinópolis poderia sim ter concorrido e, como ganhou, poderia tomar posse. Já o crime de Lula, pelo qual foi condenado em todas as instâncias, não será prescrito tão cedo e, por isso, não servirá como exemplo, mas, como por aqui tudo pode acontecer, é possível passar mais uma asneira. 

Notícia interessante 

No início da revolução Cubana, os amigos de Fidel Castro eram radicalmente contra os grupos LGBT e coube a Che Guevara a incumbência de mandar matar ou prender quem defendesse ou se aventurasse a assumir. Agora, depois “das eleições” com apenas “um” candidato, os cubanos foram comunicados da grande novidade: o casamento homoafetivo será permitido. Bons tempos para o povo da ilha que sofre horrores e atrasos em quase 60 anos sob um regime autoritário e desumano.

Comentários
×