Como superar a insegurança

A insegurança geralmente é vista, abordada em tratamentos psicológicos e tratada como patológica. Nos tratamentos clássicos, é entendida como algo que surgiu na infância. Nos tratamentos que lidam com a ciência, representa uma característica que nasceu com aquela pessoa. Mas não se fala sobre o que ela é, por que assim se manifesta, o que significa. E é sobre isso esse texto.

Esta emoção pode manifestar-se sob a forma de níveis de ansiedade mais elevados, agitação psicomotora, permitindo que a pessoa se sinta enervada mas, ainda assim, suficientemente capaz de mobilizar recursos extras que lhe permitam ser bem-sucedida. Nesses casos, a insegurança tem um efeito protetor, na medida em que nos impede de cometer erros ou de correr riscos desnecessários, funcionando como um mecanismo de defesa que faz com que o nosso alarme interno soe e nos obrigue a atuar. A partir do momento em que se torna avassaladora, a insegurança não tem qualquer vantagem. 

Achar que não é capaz, que não vai conseguir, que é menos do que os outros... Quem nunca se sentiu assim? Geralmente acompanhada de ansiedade, angústia e medo, a insegurança é bastante prejudicial à nossa vida.

— A insegurança pode gerar grandes malefícios, pois algumas vezes não fazemos as coisas por medo que deem errado e depois nos arrependemos por não termos sequer tentado — diz o psicólogo Luís Flávio Mendes Evangelista.

Uma pessoa insegura não tem confiança no seu próprio valor, tem medo de ser rejeitado, de ficar só, pobre, desempregado, medo de tomar atitudes, do que os outros vão pensar etc. Mas todos têm que lidar com ela durante a vida, é uma forma natural de experimentar e entender se nossas mudanças e aventuras serão bem-sucedidas ou não.

Para entender a origem da insegurança, temos que voltar no início, ou seja, na infância, de acordo com a maneira que fomos tratados pelos pais e o ambiente que fomos inseridos. A capacidade de uma pessoa acreditar nela mesmo depende da sua história, pra o desenvolvimento da self – o eu.  A indiferença, o desprezo, a falta de demonstração de carinho e amor, o abandono e a rejeição fazem com que a criança cresça acreditando que não pode receber atenção, amor, e isso por si só a torna um adulto inseguro. 
 A superproteção também pode gerar muita insegurança quando adulto, pois, crianças que não foram incentivadas a acreditarem em si mesmas dificilmente conseguem sentir segurança quando adultas.
Pais exigentes, críticos, que reforçam a criança de maneira negativa também criam filhos inseguros e dependentes.

Como me tornar então uma pessoa segura? O primeiro passo se perguntar: eu gosto de mim? Ter uma imagem positiva depende do nosso autoconceito, se amar acima de tudo independente dos seus defeitos, se achar merecedor de ser feliz e de alcançar seus objetivos. Não depender excessivamente da aprovação alheia, não é preciso agradar sempre, a não ser agradar a mim mesmo.

Existem poderosas maneiras se tornar uma pessoas segura: 1- cultive pensamentos positivos, nós somos o que pensamos; 2- confie em si mesmo, você é capaz de tudo, basta acreditar; 3- não se compare sua vida com a de ninguém, cada um é único no mundo; 3- não tenha medo de mudanças, podem ser positivas, se não forem, pelo menos você amadurece com a tentativa; 4- faça uma lista das suas qualidades e pontos fortes, você vai se surpreender com seu poder; 5- fique perto só de pessoas que fazem bem para você, o resto descarte da sua vida; 6-viva o momento, se você está preocupada com o que fez no passado ou pavor de que aconteça a mesma coisa no futuro, fica impossível viver o presente; 7- invista em você, faça tudo que for necessário para ser feliz.

“Um homem valente não é um homem sem medo, é aquele que não deixa paralisar por sua insegurança e segue em frente.” (Paulo Coelho)

 

talytalaysilva@ig.com.br

Comentários
×