Com seis vereadores afastados, reunião extraordinária é adiada

Última ordinária da semana está mantida, confirma Câmara; três projetos estão na pauta

Matheus Augusto 

Sem atendimento presencial nos últimos dias, a Câmara também está parcialmente esvaziada por vereadores. Seis deles estão afastados de suas atividades parlamentares por motivos ligados à covid-19. Diante do cenário, a Mesa Diretora suspendeu o encontro marcado para ontem. Na oportunidade, os edis votariam a resolução que regulamenta a realização de reuniões ordinárias on-line, diante do cenário pandêmico. Ainda não há data para o projeto ser recolocado em discussão.

Atestados

O motivo foi o afastamento de seis vereadores, “o que significa um quantitativo acima de um terço dos 17 edis da Casa”, destacou a Câmara, em nota. O comunicado relembra que três vereadores contraíram covid-19: Ademir Silva (MDB), Israel da Farmácia (PSD) e Hilton de Aguiar (MDB). Com sintomas gripais, Ana Paula do Quintino (PSC) e Roger Viegas (Republicanos) apresentaram atestado, justificando a impossibilidade de comparecer à reunião. Por fim, o líder do governo, Edsom Sousa (CDN), de 63 anos, encaminhou um ofício informando que não comparecerá à Câmara nesta semana. 

Proposta

O presidente da Mesa Diretora, Eduardo Print Júnior (PSDB), afirmou que “seria injusto manter o projeto sem a anuência de seis vereadores”.

— É uma matéria histórica para a cidade, e não podemos tirar o direito de mais de um terço do plenário de discuti-lo. Se dependesse de mim, as reuniões desta semana já seriam on-line, mas precisamos aprovar esta resolução que altera o regimento interno, dando, assim, legalidade às votações remotas — afirma.

Ele ainda negou as acusações de que a decisão tem como objetivo fechar a Câmara.

— Quem disser isso estará mentindo para a população. Não vamos tolerar mentiras num assunto tão sério. As reuniões remotas continuariam sendo transmitidas ao vivo e os serviços da Câmara ativos — confirma.

Agora, Print aguarda o retorno de todos os vereadores para definir uma nova data de votação para a alteração regimental.

— Não vamos cancelar o projeto, mas, sim, dar oportunidade para que todos coloquem seus prós e contras em discussão, como rege a democracia — conclui.

Normal

Ao Agora, a assessoria de comunicação da Câmara informou que a reunião ordinária de hoje está mantida, inclusive, com a votação de três projetos. O primeiro, de autoria de Flávio  (Patriota) e Wesley Jarbas (Republicanos), prevê a inclusão de igrejas, templos e instalações de celebração de missas, cultos e encontros religiosos como atividades essenciais em Divinópolis. As comissões de Administração e de Saúde, em seus pareceres, recomendam a rejeição do texto.

Os outros dois projetos, de autoria do Executivo, são referentes ao uso e ocupação do solo e alienação de imóveis.

Fechado

Após Israel e Hilton confirmarem teste positivo para a doença na última sexta-feira, 30, a Câmara encerrou seu expediente mais cedo, permaneceu fechada na segunda seguinte para desinfecção da Vigilância Sanitária e retomou as atividades internas (serviços administrativos e dos gabinetes) na terça. Após autorização do órgão, o atendimento ao público será retomado a partir de hoje, com público máximo de 36 cidadãos durante as reuniões. 

Em parceria com a UFSJ, cerca de 110 servidores tiveram amostras coletadas para análise. Dois testaram positivo e ficarão em isolamento domiciliar. A Câmara já havia informado anteriormente que quatro servidores, além dos vereadores, tinham sido contaminados com covid-19.

 

 

Comentários
×