Com 300% dos leitos ocupados, UPA tem pacientes alojados no corredor

165 pessoas aguardam vagas nos hospitais; secretário pede ajuda da população para conter o avanço do vírus

Bruno Bueno

O secretário municipal de Saúde, Alan Rodrigo, concedeu, ontem à tarde, uma entrevista ao Jornal Agora. A conversa, que foi transmitida ao vivo nas redes sociais, teve como objetivo tirar dúvidas da população a respeito da situação caótica do coronavírus em Divinópolis.

Dentre vários assuntos abordados, o secretário confirmou que o hospital de campanha, localizado na UPA Padre Roberto, atingiu 300% da ocupação dos leitos, fazendo com que haja pacientes alojados nos corredores usando tubos de oxigênio, visto que não há vagas para atender todos.

300% de ocupação

Conforme o Agora noticiou na tarde de ontem, o hospital de campanha, localizado na UPA Padre Roberto, atingiu 300% de ocupação dos leitos. Na enfermaria adulta, foram colocados 24 leitos extras, passando, assim, de 12 para 36 pacientes nos leitos, representando a massiva porcentagem.

Durante a entrevista, o secretário confirmou a superlotação do hospital.

— Ontem, por volta de 22h, estive na UPA e percebi que a situação estourou. Tem gente no corredor, com tubos de oxigênio. O ideal é que essas pessoas ficassem nos leitos de UTI, mas não é possível. Abrimos os leitos extras e eles se ocuparam rapidamente — disse.

Aguardando vagas

A Prefeitura também noticiou, na tarde de ontem, que há aproximadamente 165 pessoas aguardando vagas de leitos na macrorregião Oeste. Segundo a diretora de Urgência e Emergência, Cristiane Silva Joaquim, são 73 pacientes precisando de leitos de CTI e 92 aguardando leitos de enfermaria pelo SUS.

Ainda segundo a Prefeitura, dos 36 leitos, 35 estão ocupados com pacientes de Divinópolis. No CTI adulto, que tem capacidade para 25 pacientes, foram colocados dois leitos extras e a ocupação está em 108%. Dos 27 pacientes, 24 são de Divinópolis. A enfermaria infantil está com ocupação de 37,5%, com três dos oito leitos ocupados com pacientes de outras cidades, sendo dois de Nova Serrana e um de Itaguara

Seis mortes

Para piorar a situação, a Prefeitura confirmou, na tarde de ontem, seis mortes por coronavírus na cidade. Foi a primeira vez que o município registrou tamanha confirmação de mortes em um dia. Já são 13 óbitos confirmados somente nesta semana.

O primeiro óbito ocorreu no sábado, 20. A vítima foi um homem, de 87 anos, portador de doença cardiovascular crônica, diabetes e doença neurológica crônica. Já a segunda, uma mulher de 102 anos, portadora de doença cardiovascular crônica e doença neurológica crônica. A morte ocorreu no domingo, 21.

Uma mulher de 44 anos, sem comorbidades, morreu na segunda-feira, 22. Na terça-feira, 23, foram registrados os óbitos de dois homens: um de 55 anos, portador de hipertensão e diabetes; e outro de 74 anos, portador de doença cardiovascular crônica e diabetes. Ontem morreu um homem, de 58 anos, sem comorbidades.

Com os registros, Divinópolis chegou a 189 óbitos em decorrência do coronavírus ‒ outros dois são investigados. Entre os bairros com mais mortes, lideram o Centro (15), São José (14) e Niterói (13). 

Onda roxa

Para controlar a situação caótica que a macrorregião Oeste e toda Minas Gerais vive, o secretário estadual de Saúde, Fábio Baccheretti, anunciou que todo o estado continuará em onda roxa, plano mais restritivo do Minas Consciente, até o próximo dia 4 de abril.

Questionado sobre a situação de Divinópolis que, em tese, saíria da onda no próximo dia 28, o secretário afirmou que ainda não está decidido sobre qual diretriz o município seguirá.

— Faremos uma reunião com os prefeitos e definiremos a situação. A diretiva estadual, de colocar todas as macrorregiões na onda roxa, não atendeu os gestores municipais e prejudicou as definições — explicou.

Vacinação

Ao ser questionado sobre o andamento da vacinação em Divinópolis, o secretário afirmou que a cidade deve avançar com os imunizantes nos próximos dias.

— Hoje avançamos mais um pouco, já chegamos aos 74 anos. Devemos bater, ainda esta semana, quase mil vacinações por dia. Isso será possível graças ao acréscimo de abastecimento vindo do Ministério da Saúde. Se isso continuar, até o fim da semana que vem já iremos bater os 70 anos — explicou.

Sobre os estudantes da área da saúde que trabalham na linha de frente e ainda não foram imunizados, Alan disse que a responsabilidade não é da Prefeitura.

— Os hospitais onde os estudantes estão fazendo a residência deveriam ter mandado a lista completa de quem deveria ser imunizado. Todos os nomes que recebemos nós vacinamos. O aluno deve solicitar aos centros de saúde que façam o envio de uma nova lista, enviando o nome dos demais estudantes — disse.

Apelo

No fim da conversa, Alan fez um apelo aos divinopolitanos.

— O pessoal tem que se conscientizar. Jovens, parem de fazer essas festas clandestinas, é uma coisa fugaz que pode ser evitada. Vocês, fazendo assim, correm risco de prejudicar seus familiares — desabafou.

O secretário acrescentou que a Prefeitura está fazendo sua parte, mas que a população também precisa colaborar.

— Chegando para fazer a entrevista eu vi pelo menos duas pessoas de idade andando sem máscara na rua e sem proteção. São atitudes como essas que fazem com que a gente chegue no estado que encontramos. Estamos lutando com tudo que podemos para vencer isso, mas a população precisa colaborar — disse.

 

Comentários
×