Coluna Batendo Bola (31/10/2019)

Times do interior se deram bem

José Carlos de Oliveira

jcqueroviver@hotmail.com.br

 

Reunião de dirigentes de futebol para definir os rumos de um torneio em que todos se dão bem e não há nada a reclamar por nenhuma das partes é algo raro de se ver nos dias de hoje. E confesso nunca ter visto e muito menos ouvido de falar de algo parecido.

Mas foi justamente isto que aconteceu no encontro da última terça-feira, 29, na sede da Federação Mineira de Futebol (FMF), em Belo Horizonte, para definir como será a disputa do Campeonato Mineiro de 2020, em seu Módulo I.

Volta ao passado

Como queriam os dirigentes dos grandes clubes da capital – América, Atlético e Cruzeiro –, a fórmula de disputa do estadual voltou ao que era dois anos atrás, com apenas quatro clubes passando à segunda fase, sendo suprimida as quartas de finais, que pouco ou nada acrescentavam mesmo, a não ser inchar o torneio.

O simples

Os dirigentes optaram por fazer o mais simples, sem complicar a vida de ninguém. O campeonato será disputado em turno único, com todos jogando contra todos e apenas os quatro melhores seguindo para as semifinais. Nada mais do que justo, num torneio onde são pouquíssimos os times que entram na briga em condições de igualdade com os demais e com chances reais de título.

Novidade

Mas, como contrapartida, há novidades para os times do interior. Foram implantadas novas competições para o ano que vem, que vão beneficiar apenas os pequenos: o Troféu Inconfidência e a Recopa Mineira, que deve ter a presença apenas dos clubes do interior, a não ser que um grande vá mal no estadual e fique fora das semifinais.

Na primeira, a disputa será entre os times que terminarem a primeira fase de 5º a 8º lugares. Já a Recopa será disputada entre a melhor equipe do interior na fase classificatória e o campeão do Troféu Inconfidência.

Querer mais do isto dos dirigentes já seria pedir demais!

Valorização

Até que enfim prevaleceu o bom senso, e os ‘homis’ que comandam o futebol mineiro provaram que, quando não querem complicar, até que fazem algo de proveito. Com as duas novas competições, o futebol mineiro será valorizado como um todo, e os times do interior têm mais um motivo para se preparar mais e melhor para a disputa.

Reunião para o Módulo II

E bem que os dirigentes da Federação Mineira de Futebol poderiam aproveitar este instante de “rara inteligência” para fazer algo de bom também para os demais clubes profissionais de Minas Gerais, dando uma nova cara ao futebol mineiro como um todo.

Arbitral

Para a próxima terça-feira, 5, na sede da Federação em Belo Horizonte, está previsto o Conselho Técnico do Módulo II, com representantes de clubes decidindo como será o próximo estadual.

Boa vontade

E neste momento tudo que se pede dos dirigentes da federação é que, em vez de complicar, procurem facilitar a vida dos times do interior, que já entram no campeonato contabilizando o prejuízo que terão com a disputa. Essa é a verdade. E se a FMF não facilitar a vida dos pequenos (suprimindo algumas taxas que cobra, por exemplo), será difícil exigir muito dos clubes, com muitos vivendo hoje com o ‘pires na mão’, sem grana até para fazer frente a seus compromissos diários.

Reunião

O encontro da terça-feira será às 14h, e estarão presentes dirigentes dos 12 times que participarão do campeonato: Guarani, Tupi, Serranense (Nova Serrana), Nacional de Muriaé, CAP Uberlândia, Ipatinga, Athletic Club (São João del Rei), Democrata (Sete Lagoas), Democrata (Governador Valadares), América (Teófilo Otoni), Pouso Alegre e Betim Futebol Clube.

Comentários
×