Coerência

Enquanto os vereadores se perdem num cipoal de problemas nacionais, os políticos que a população de Divinópolis clama e precisa são pessoas coerentes e racionais, que respeitem contratos e leis. Na ânsia de garantir ibope nas redes sociais e na TV Câmara, eles se perdem em firulas querendo iludir a população com sugestões que nascem mortas, pois desrespeitam contratos públicos milionários que podem geram indenizações que colocariam em maus lençóis o município já assolado em grave crise financeira.

Insatisfação tucana

É grande a insatisfação no diretório mineiro do PSDB, presidido pelo deputado federal Domingos Sávio. Conforme palavras do deputado Caio Nárcio, ao jornal “O Tempo”, foi ajuizada ação judicial pedindo a anulação das eleições marcadas para sábado. O deputado não disse qual o tipo de insatisfação, mas o atual presidente, que é candidato único à reeleição, disse que se for preciso pode fazer mudanças para contemplar os descontentes. Disse mais, que a eleição continua mantida, pois é regulamentar e foi feita dentro dos prazos previstos em lei. A conferir.

Na pauta

A redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) com o tema “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil” suscitou atenção para as políticas inclusivas. Na quarta-feira, durante a reunião da Associação Comunitária para Assuntos de Segurança Pública (Acasp), a representante de uma associação para pessoas com deficiência auditiva, Andréia Amaro, propôs um treinamento para capacitar os profissionais da segurança pública para garantir a dignidade e o direito.

5ª Vara

A Associação dos Advogados do Centro-Oeste (AACO) ajuizou junto ao Conselho Naciona de Justiça (CNJ), um Procedimento de Controle Administrativo solicitando o cancelamento do ato de desinstalação da 5ª Vara Cível de Divinópolis. A partir de resolução da presidência do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), foram apontadas várias ilegalidades na decisão. O caso está nas mãos do conselheiro Marcos Schiefler que, acatou o pedido e exige explicações sobre a o prazo exíguo de cinco dias. Segundo o presidente da Comissão de Direito e Processo Civil da AACO, Francis Vanine, os atos materiais de desinstalação começam a valer no dia 13 de novembro, quando a resolução de desinstalação da vara entra em vigor. Além do processo a AACO solicitou uma liminar para suspender os efeitos da resolução imediatamente, até a decisão do CNJ.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários
×