CIS-URG pode administrar Hospital Regional

Matheus Augusto

Divinópolis esteve, mais uma vez, na pauta do Governo do Estado. Representantes da cidade estiveram na segunda-feira e ontem na Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) para tratar sobre as demandas da cidade. Dentre os tópicos abordados esteve a conclusão do Hospital Regional e maior autonomia municipal na área.

Participaram do encontro o secretário de Saúde (Semusa), Amarildo Sousa, o vereador Matheus Costa (CDN) e o deputado estadual Cleitinho Azevedo (CDN).

Já na segunda-feira, o deputado federal Domingos Sávio (PSDB), Cleitinho Azevedo, Amarildo Sousa e o presidente do Consórcio Intermunicipal do Gerenciamento de Saúde (CIS-URG), o prefeito de Carmo do Cajuru, Edson Vilela (PSB).

Demandas

Outras comitivas também estiveram na reunião para apresentar suas necessidades ao secretário da pasta, Carlos Eduardo Amaral Pereira da Silva. Sobre Divinópolis, a conclusão do Hospital Regional voltou a ser abordada. Segundo informou Cleitinho, a proposta de administração do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Gerenciamento dos Serviços de Urgência e Emergência (CIS-URG) agradou o secretário.

— Amarildo tratou mais uma vez da situação do Hospital Público Regional, que precisa de sua conclusão, equipamentos e definição de custeio para entrar em funcionamento. Na oportunidade, o secretário Carlos Eduardo afirmou que as conversas estão bem adiantadas com o CIS-URG e, inclusive, elogiou o projeto apresentado pela equipe do consórcio, que hoje gerencia o Samu na região e tem desafogado a rede pública regional no que diz respeito a cirurgias ortopédicas — comunicou em nota.

Em reunião com Romeu Zema na última segunda-feira, 19, o deputado federal Domingos Sávio (PSDB) já havia comunicado que o governador se comprometeu a pagar ao menos 50% das obras restantes. Segundo o parlamentar, essa porcentagem é o suficiente para garantir o funcionamento parcial do hospital. Mais detalhes sobre o investimento devem ser divulgados no próximo mês.

Presente no encontro, o vereador Matheus Costa declarou, em sua fala na Câmara, que o Hospital Regional em Divinópolis deve ser o primeiro a retomar as obras.

CIS-URG

O Governo de Minas formou, em fevereiro deste ano, um grupo de trabalho para receber propostas e alternativas de entidades para a conclusão de onze hospitais. O governo alega que os estudos de possíveis interessados têm como objetivo superar a crise econômica no estado.

Segundo o secretário executivo do CIS-URG, José Marcio Zanardi, não haverá problemas na prestação de serviço caso o consórcio passe a administrar, além do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), o Hospital Regional.

— Não há sobrecarga. O que existe é uma necessidade deste equipamento entrar em funcionamento o mais rápido possível e o CIS-URG, através da Assembleia dos prefeitos, estabeleceu isso como prioridade. Estamos trabalhando em cima do projeto e vamos dimensionar o serviço para, se for o caso de o Consórcio administrar, prestar um serviço de excelência à população do Centro-Oeste mineiroafirmou.

Ainda em 2019

O vereador Matheus Costa ressaltou que, durante a reunião, Carlos Eduardo Amaral, líder da pasta, prometeu retomar as obras ainda neste ano.

— O secretário falou da intenção do governo de até o fim do ano retomar as obras do Hospital Regional, e que pretende concluir pelo menos metade e colocar em funcionamento — relatou Matheus.

O vereador também explicou que o Regional trará desenvolvimento para diversas áreas da cidade.

— Eu disse para ele que o hospital vem para salvar Divinópolis, tanto na área da saúde, que vai fazer muito bem para nosso município e 54 cidades da região, quanto na área da educação, porque a parceria do Hospital Regional com o hospital escola da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) vai ser muito importante para os alunos e formandos. Também contribuirá para o fomento da economia, porque nós vamos receber, a partir do término do hospital, milhares e milhares de pessoas por dia aqui em Divinópolis, fazendo consultas, operando, usufruindo do Hospital Regional — afirmou.

Autonomia

Referência regional em saúde, Divinópolis encontra pelo caminho a burocracia. Em nota, Cleitinho afirmou que um plano está em andamento para agilizar os devidos encaminhamentos na área.

— O secretário Amarildo também pediu mais autonomia para o município tratar do gerenciamento de demandas na área da saúde, já que a cidade é a referência regional. O Governo do Estado concorda com essa sugestão e afirmou que já está estudando um plano regional para melhor distribuição dos serviços de exames, cirurgias e internações, aproveitando a vocação e capacidade de cada um dos municípios — explicou.

Medicamentos

Outro tema tratado na reunião, levado pelo vereador divinopolitano, foi a compra de medicamentos para o tratamento de doenças raras. A questão abordada é de que tais remédios são adquiridos, em sua maioria, através de ordem judicial e há casos em que não há disponibilidade.

— O atual secretário informou que encontrou os estoques praticamente esgotados, com a falta de muitos medicamentos, e que ao longo do ano vem fazendo a reposição com base na demanda. Inicialmente foram comprados os de classe 0 e 1, que são para pacientes com risco iminente de morte, e a partir de setembro já estarão disponíveis o de classe 2, também para tratamento de doenças graves. Carlos Eduardo ainda garantiu que está em andamento a elaboração de um plano para que faltas desta natureza não ocorram no futuro — explicou Cleitinho em nota.

Além disso, o secretário de Saúde, Carlos Eduardo, explicou que essas situações causam um elevado gasto aos cofres públicos.

— O Estado quer evitar, assim, situações de judicialização, que custam caro aos municípios e que, somente neste ano, teriam gerado uma despesa de quase R$ 400 milhões, que acabaram sendo remanejados da atenção básica à saúde — relatou Cleitinho.

Comentários
×