Cinema Falado destaca filme "Gauguin"

Lançamentos da semana

GAUGUIN: VIAGEM AO TAITI (GAUGUIN: VOYAGE DE TAHITI). FRANÇA. 2017. DIR: EDOUARD DELUC. ELENCO: VINCENT CASSEL, TUHEÏ ADAMS, MALIK ZIDI. DRAMA. 102 MIN.

Muito se fala em Van Gogh mas pouco sabemos do paradeiro de seu amigo pintor Paul Gauguin, a não ser que viveram às turras no sul da França e que Van Gogh acabou arrancando uma orelha após uma briga com ele. Neste filme acompanhamos a volta de Paul à Paris em 1891, quando sentiu o ambiente ao redor muito artificial e ansiou por uma renovação de sua arte, indo cair no famoso Paraíso Perdido, a longínqua Taiti localizada na Polinésia, e ainda foi só pois sua mulher Mette e os cinco filhos não se arriscaram. Gauguin escolheu a aldeia de Mataiera, bem longe da capital Papete e montou sua cabana, vindo a trabalhar incansavelmente, inspirado no estilo primitivo do povo, e lá ficou por dois anos numa pobreza sem par, com problemas cardíacos e muitos infortúnios. O seu bálsamo foi a linda nativa Tehura, que cuidou do pintor até o fim, tornando-se sua musa inspiradora dos maiores desenhos de sua vida. O diretor Edouard Deluc imprime sua marca e conseguiu driblar todas nossas expectativas de que Gauguin seria um ser superior, mas ele mostra o pintor cheio de defeitos como qualquer um, inseguro e com raiva, toda hora explodindo, mas tendo ao lado sua musa que segura todas as barras, apesar de seu ciúme. Ficamos extasiados com as imagens paradisíacas que mostram bem as cores que Gauguin jogou em seus quadros, e ao fim não somos reconfortados com um homem que saiu vitorioso, mas sim de um homem fracassado que voltou de mãos abanando para sua França e morreu na pobreza, vindo a ser descoberto logo após. Mas aí já era tarde e ficamos com um gosto de sua arte nas telas que deixou para a posteridade.

CANTINFLAS-A MAGIA DA COMÉDIA (CANTINFLAS). MÉXICO. 2014. DIR: SEBASTIAN DEL AMO. ELENCO: ÓSCAR JAENADA, MICHAEL IMERIOLI, ILSE SALAS. COMÉDIA. 102 MIN.

Charles Chaplin considerava Mário Moreno o maior comediante do mundo, e sua fama correu todo o planeta, inclusive aqui no Brasil onde o vi quando fui a primeira vez a um cinema, mas com sua alcunha de Cantinflas. O diretor porém resolveu mostrar apenas uma pequena parte de sua vida, justamente quando ele foi contratado por Hollywood para fazer o filme que acabei assistindo com três anos de idade e que se tornou inesquecível para minhas retinas: “A volta Ao Mundo em 80 Dias”. Embora depois não tenha feito o sucesso esperado na terra do Tio Sam, podemos ver um pouco de sua vida cheia de dificuldades, onde Cantinflas foi pouco a pouco se tornando um fenômeno de público e crítica, levando para fora um pouco do gosto de seu querido México.

Clássicos do cinema

NÚPCIAS DE ESCÂNDALO (THE PHILADELPHIA STORY).EUA. 1940.DIR.: GEORGE CUKOR.ATORES: KATHARINE HEPBURN, CARY GRANT, JAMES STEWART.COMÉDIA ROMÂNTICA.112 MIN.

Quando eu me canso de ver esses filmes atuais com muitos efeitos especiais recheados de roteiros medíocres, logo pego um dos filmes da década de 40, pois toda a magia e inteligência estão ali aliadas para enriquecer nossa vida. A catalisadora desse filme foi Hepburn, talvez a melhor atriz de todos os tempos, que na época estava queimada pela imprensa, e que resolveu comprar os direitos da peça onde ela era a atriz principal. Pôde assim convidar dois dos maiores astros de então, Grant e Stewart, para compartilharem dessa história clássica: ela faz o papel de uma milionária mimada e auto-centrada que está para se casar pela segunda vez, quando vê chegar o primeiro esposo (Grant) que aparece para estragar seus planos. Ele contrata dois repórteres (James Stewart e Ruth Hussey) para cobrirem a festa sem a permissão da família e publicarem em um jornal sensacionalista todos os podres daquela rica sociedade. Só que as coisas saem da rota e nos vemos entretidos em um rico jogo de diálogos e situações que transformam o filme em uma roda gigante de emoções. James Stewart ganhou o Oscar de Melhor Ator em 1940 e esse filme jamais envelheceu; pelo contrário, é vinho da melhor safra dos anos 40. Não percam no segundo DVD um documentário de mais de uma hora sobre a vida de Katharine Hepburn.

Música da semana

Enquanto escrevia essa coluna fui curtir a cantora francesa Camille Bertault com seu álbum de 2015, En Vie. Música da semana: En Vie.

Otávio Paiva
www.deltadvdvideo.com.br

Comentários
×