Cinema Falado destaca filme 'E Se Vivêssemos Todos Juntos?'

Lançamentos da semana

E SE VIVÊSSEMOS TODOS JUNTOS? (ET SI ON VIVAIT TOUS ENSEMBLE?). FRANÇA. 2011. DIR: STÉPHANE RODELIN. ELENCO: GUY BEDOS, JANE FONDA, DANIEL BRÜHL, GERALDINE CHAPLIN. COMÉDIA. 96 MIN.

Só agora sai em vídeo essa comédia francesa que fez grande sucesso na época e que trabalha com o envelhecimento com humor e graça, já que hoje a população está vivendo mais tempo e todos tem que aprender a saber como levar sua velhice da melhor maneira possível. Acompanhamos a história de Anne (Chaplin) e Jean (Bedos), um casal que vive numa casa imensa e vazia, já que os parentes não aparecem amiúde, e assim o sonho de Anne é construir uma piscina para que os netos se animem a aparecer; temos também os amigos como Claude (Claude Berhnard), um senhor viúvo que se satisfaz com prostitutas até ter um ataque cardíaco, se deixando à mercê de remédios. Já Albert (Pierre Richard) está começando a ter Alzheimer e enquanto sua esposa Jeanne (Fonda) esconde dos amigos que tem um câncer terminal, e são esses cinco amigos que resolvem um dia morar juntos, pois não suportam mais a solidão e as dificuldades de cada um. E assim veremos como será essa interação entre amigos de mais de quarenta anos, mas cada um com uma personalidade diferente, sujeita a choques e tempestades a toda hora, e no meio deles está um jovem, Dirk (Brühl), estudante de etnologia que está escrevendo uma tese sobre o envelhecimento, um prato perfeito para ele, que vai viver entre eles. Podemos rir bastante das grandes trapalhadas, mas também comovemos com o drama oculto de cada um nesse filme enternecedor e honesto.

SOMENTE O MAR SABE (THE MERCY). REINO UNIDO. 2018. DIR: JAMES MARSH. ELENCO: RACHEL WEISZ, DAVID THEWLIS, COLIN FIRTH. DRAMA. 112 MIN.

O diretor James Marsh havia nos apresentado um excelente filme em “Teoria de Tudo” onde pudemos nos aprofundar na vida do físico Stephen Hawking, e as expectativas em torno de sua nova produção eram grandes, mas não cumpriram completamente com o gosto do público, e mesmo assim é interessante acompanhar a incrível história de um marinheiro amador de nome Donald Crowhurst (Firth). Sua proeza foi entrar num concurso patrocinado pelo jornal britânico Sunday Times que tinha como meta premiar o primeiro homem que conseguisse circunavegar o mundo sozinho sem paradas, no que foi seguido por mais oito malucos que arriscaram a vida pela primazia. Donald era um empresário britânico e hipotecou a sua casa, sem o conhecimento da esposa, para participar desse torneio, e a partir daí todos os espectadores sofrem com suas agruras em alto mar, ao ver a loucura que embarcou. Uma pena a gente perder uma grande performance de atores do calibre de Colin Firth e Rachel Weisz, mas mesmo assim ainda nos pegamos torcendo pela sobrevivência do intrépido marinheiro até chegarmos a um final que surpreende os mais incautos.

Clássico do cinema

O TREM DE ZHOU YU (ZHOU YU DE HUO CHE). CHINA. 2002. DIR: ZHOU SUN. ELENCO: GONG LI, TONY KA FAI LEUNG, HONGLEI SUN. ROMANCE. 97 MIN.

Um filme que toca a alma das pessoas que gostam de assistir cinema sem pressa, feita no ritmo chinês e ainda nos trazendo a belíssima e extraordinária atriz Gong Li, no papel de Zhou Yu, um artista decorativa de cerâmicas, que viaja duas vezes por semana de trem para visitar seu namorado Chen Qing (Leung), um empregado do governo e poeta. Ela é a grande inspiração de sua poesia, mas tem uma personalidade forte enquanto ele é uma alma sensível e retraído, o que vai trazendo com o tempo um desgaste no relacionamento, apesar de ambos se amarem muito. Na viagem de trem ela acaba encontrando um veterinário que tem o temperamento parecido com ela e aos poucos eles vão se adequando até ela ter que fazer uma escolha entre os dois, pois Chen recebeu uma proposta para trabalhar no Tibete. Uma decisão que pode mudar toda a vida da garota, nesse filme que encanta pelas lindas paisagens e a bela história de amor que é contada com um gosto de especiaria oriental.

Música da semana

Enquanto escrevia essa coluna voltei algumas décadas para os tempos de Godspell, o filme, com essa dupla fantástica, Jackie & Roy. Música da semana: Day By Day.

Otávio Paiva
www.deltadvdvideo.com.br

Comentários
×