Cinco são presos pelo desastre em Brumadinho

Da Redação

Durante a manhã de ontem, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) cumpriram cinco mandados de prisão temporária. A ação visa a apurar a responsabilidade pelo rompimento da barragem em Brumadinho. Com prisão válida por 30 dias, dois dos alvos foram presos em São Paulo, e os outros três na região Metropolitana de Belo Horizonte.

Os cinco engenheiros serão ouvidos pelo MPMG e os documentos apreendidos passam por análises. As investigações buscam esclarecer se houve ou não fraudes nos atestados que garantiam a segurança e a estabilidade das barragens.

— Foram presos três funcionários da Vale diretamente envolvidos e responsáveis pelo empreendimento minerário e seu licenciamento. Além disso, engenheiros terceirizados que atestaram a estabilidade da barragem, em data recente, foram presos. Os documentos e provas apreendidas também serão encaminhados ao Ministério Público para análise — afirmou a MPMG.

Documentos

Outros mandados de busca e apreensão foram cumpridos, em decisão da Justiça Federal em Belo Horizonte. Policiais federais estiveram na sede da Vale, em Nova Lima, em busca de documentos. Uma empresa em São Paulo, prestadora de serviços de projetos e consultorias na área das barragens também recebeu os oficiais de justiça.

Segundo o MPMG, participaram do cumprimento dos mandados procuradores da República, policiais federais, especialistas em informática, mineração e geologia. Documentos, computadores e smartphones foram apreendidos e ainda serão analisados.

Vale

Em seu site, a Vale, responsável pela barragem, afirmou estar buscando fornecer o máximo de auxílio às autoridades e às famílias.

— Referente aos mandados cumpridos nesta manhã, a Vale informa que está colaborando plenamente com as autoridades. A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas — destacou em nota.

Comentários
×