Ciclo sem fim

Politicagem. Se tem uma palavra que está na moda é esta. E falar nunca é demais, mesmo que seja cansativo. Pois, se o desejo é de mudança é mais do que necessário, que estejamos abertos ao diálogo e ao entendimento, para, quem sabe um dia, deixarmos de ser massa de manobra. Não custa repetir. O significado de politicagem é: “política de interesses pessoais, de troca de favores, ou de realizações insignificantes. O conjunto dos políticos que se dedicam a essa espécie de política”. Dentro desse quesito, “política de interesses pessoais”, estão muitas coisas, dentre elas, enganar o eleitor para ser reeleito, mantê-lo ignorante, e assim se garantir no poder. Afinal, quanto mais desprovido de informações, mais manipulados são, e dentro deste jogo de enganar estão as fake news, ou notícias falsas, que infelizmente ganharam espaço e caíram no gosto de boa parte do povo brasileiro.

E como em um ciclo sem fim, parte desta população está indo na onda da desinformação e da mentira – mais uma vez – e o pior, a maioria dessas notícias falsas são espalhadas pelos políticos. Mas tudo isso faz parte do “pacote” política de interesses pessoais, afinal, quer interesse maior para um político do que se manter no poder? Como em um ciclo sem fim, bastou o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sair da cadeia que a onda fake news começou e, claro, os “representantes do povo” aproveitaram. Como muitos não respeitam a democracia ou o cumprimento da Constituição Federal (CF) e ficam nesse lema de “Deus acima de não sei quem, e Brasil acima de não sei o quê”, eles já partiram para o ataque. Sem ter muita saída para consolar o ego daqueles que gritavam aos quatro cantos do mundo “O Lula está preso”, o jeito foi recorrer às fake news.

Inconformados com a liberdade, inúmeros deputados foram para as redes sociais prometer a prisão do ex-presidente, pois iriam lutar para a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410 para autorizar a prisão em segunda instância no Brasil. E tem muita gente parabenizando os “representantes do povo”, e caindo nessa conversa, sem saber que o artigo 283 do Código de Processo Penal determina que ninguém pode ser preso antes do trânsito em julgado, a não ser em flagrante ou em cumprimento de medida cautelar, e que a proposta de permitir a execução da pena após condenação em segundo grau desrespeita cláusula pétrea da Constituição Federal, estabelecida no artigo 60, parágrafo 4º, IV. Portanto, não pode ser abolida por meio de emenda constitucional, só por uma constituinte. Sim! A verdade dói. A democracia dói. Não deveria doer, mas diante do momento de politicagem que atravessamos, no qual os políticos falam o que os eleitores querem ouvir e fazem o que eles querem a qualquer custo apenas para se manter no poder, tudo isso dói.

O ex-presidente não é o único a passar por esta onda de fakes, o atual também. O caso do porteiro do condomínio onde mora Jair Bolsonaro vem sendo tratado da mesma forma. Basta um falar, outro escutar e espalhar para a coisa ganhar proporções sem limites. Na verdade, não importa de quem se trata, autoridades ou não, as notícias falsas causam verdadeiros tsunamis nas vidas das pessoas. E tem gente com tempo demais na prática destes feitos, pois, a cada dia, dezenas são feitas vítimas da prática. Ou não tem o que fazer, ou adora ver o circo pegar fogo.

Mas dizem por aí que todo ciclo um dia tem um fim, e a nossa esperança é que este acabe logo, e que o Brasil consiga eleger representantes melhores, afinal, ninguém consegue sustentar o que não é por muito tempo. Nem que para isso seja necessário “usar” a Constituição Federal.

Comentários
×