Chuvas aumentam problemas com buracos e vereadores cobram melhorias

Matheus Augusto

Um tema dominou os discursos dos vereadores na tarde de ontem, na Câmara: a quantidade de buracos na cidade, principalmente em decorrência das chuvas. Os políticos cobraram melhorias, em especial, nas zonas rurais, em razão dos relatos de crianças que não conseguem estudar pela dificuldade de transporte até as escolas. Outro assunto que voltou a ser citado foi a Usina de Asfalto, negada pela Prefeitura.

Buracos

A presidente da comissão de Assistência Social da Câmara, Janete Aparecida (PSD), afirmou que o Executivo está sendo negligente ao não garantir aos estudantes o acesso às aulas.

— Se o pai deixar a criança sem escola, eu automaticamente tenho que acionar o Conselho Tutelar, porque é negligência do pai. Se o prefeito deixa a criança sem escola porque não consegue levar transporte o que nos vamos fazer? Prender o prefeito por negligência? — questionou.

Além das dificuldades do acesso escolar, Ademir Silva (PSD) citou o impacto na economia que a falta de infraestrutura das vias pode ter.

— Fica aqui essa nota triste a todos as pessoas da zona rural que utilizam as estradas para fazer o escoamento da sua produção e mercadorias e o sustento de suas famílias que precisam transitar pela zona rural — argumentou.

Em seguida, Renato Ferreira (PSDB) exerceu seu direito de fala para complementar o discurso do vice-presidente da Câmara.

— Hoje o setor que mais emprega na nossa cidade são as comunidades rurais, é a agricultura familiar. Mais de 20 famílias dependem dessas estradas. Então, no período que der uma estiagem, vamos tentar amenizar esse problema, pegar essa emenda do deputado Domingos Sávio e pedir que a Usina de Projetos acelere os processos — emendou.

O vereador também compartilhou a ação de seu companheiro de partido para tentar melhorar a situação.

— Através do deputado Domingos Sávio, as comunidades rurais vão receber R$ 2 milhões para melhorar várias vias. Temos que xingar, brigar, mas temos também que encaminhar para quem faz — declarou. 

Como alternativa, Adair Otaviano (PSDB) propôs ao prefeito Galileu Machado (MDB) que faça contratos emergenciais de equipamentos para melhorar as condições das vias.

— (...) ontem [segunda], na parte da tarde, a escola Benjamin Constant não funcionou. Hoje durante o dia e tarde, a escola está fechada. Informações da Secretaria de Educação: 112 alunos na parte da manhã e 83 na parte da tarde. É inadmissível. Além dessa escola não estar funcionando e os alunos estarem sem aulas, temos pessoas perdendo dia de serviço — declarou.

Usina de asfalto

Sargento Elton (Patriota) classificou a situação como catastrófica e criticou a falta de ações preventivas e citou a rejeição da Prefeitura ao recurso para a compra da Usina de Alfalto.

— A cidade está parando, senhora e senhores. (...) E [a Prefeitura] ainda se dá o luxo de “não, eu não quero Usina de Asfalto, faz asfalto demais” — argumentou.

Sobre o tema, Matheus Costa contou ter elaborado um ofício que, posteriormente, vai encaminhar ao Executivo, como forma de mostrar o apoio dos vereadores à implantação da Usina de Asfalto. Conforme divulgou, o documento conta com a assinatura de 15 dos 17 vereadores da Casa – apenas o presidente, Rodrigo Kaboja (PSD), e o líder do governo (SD), Eduardo Print Jr. (SD), não manifestaram apoio.

— Se o Executivo respeitasse a opinião dessa Casa, ele, por maioria das assinaturas, aceitava a Usina de Asfalto — afirmou.

Quem também citou a aquisição da Usina como uma possível alternativa para a cidade foi o vereador Edsom Sousa. Segundo ele, o prefeito será convocado para, no dia 23, prestar esclarecimentos sobre o posicionamento contrário à utilização da verba articulada pelo deputado estadual Cleitinho Azevedo (Cidadania).

— Só doido tem ideia fixa. Talvez essa usina não sirva para gente — afirmou.

Prefeitura

O Executivo anunciou que, desde domingo, 1º, a Secretaria Municipal de Operações e Serviços Urbanos (Semsur) trabalha com uma operação emergencial para lidar com os danos nas ruas. Dentre as vias contempladas pela ação na segunda-feira estão a avenida Bom Sucesso e a entrada do bairro Bom Sucesso. Ao Agora, a Prefeitura informou que a operação tapa-buracos ontem continuou o priorizando os locais de risco e com maior fluxo de riscos: rua Goiás (entre Getúlio Vargas e o viaduto), Getúlio Vargas com rua João Notini, elevado da Vila Olaria e a rua São João del-Rei (da rua Francisco Freitas até o n° 830, no bairro São Miguel).

Projetos

Dois projetos estavam na pauta para votação ontem. A primeira proposta tem como autor César Tarzan (PP) e foi protocolada no ano passado. De acordo com o projeto, o sindicato dos servidores públicos municipais deveria divulgar em seu site na internet ou em jornais de grande circulação a prestação de contas mensal, com o valor da contribuição recolhido e seu uso. Além disso, a organização deveria comparecer trimestralmente à Câmara para apresentar a aplicação dos recursos. No entanto, antes da votação, o vereador pediu o arquivamento do projeto. Segundo ele, existe uma lei federal que determina os sindicatos a prestarem contas anualmente.

— Nesse sentido eu quero fazer a retirada definida do projeto, com essa lei de prestar contas anualmente a gente se sente contemplado — afirmou.

O vereador ainda destacou outro ponto para justificar a retirada do projeto: a não obrigatoriedade do pagamento da contribuição.

— Na prestação de contas do sindicato, em 2016, com a contribuição sindical, o mesmo recebeu R$ 400 mil, esse dinheiro que era descontado automaticamente dos servidores. Em 2017, o sindicato recebeu R$ 463 mil. Veio a lei da reforma trabalhista, onde não é mais obrigatório o servidor contribuir, hoje é voluntário. Então, em 2018, o sindicato recebeu apenas R$ 3,5 mil — finalizou César Tarzan.

A segunda proposta, de Roger Viegas, previa que pessoas físicas e jurídicas poderiam fornecer à Prefeitura, gratuitamente, grades de ferro contendo sua logomarca para serem instaladas nos bueiros das vias públicas. A marca deverá ser fundida na hora produção, sem a possibilidade de publicidade através de pintura, adesivo ou plotagem. O projeto foi aprovado por 15 votos favoráveis. Segundo o vereador, a intenção é evitar problemas como pessoas que se acidentam com bueiros.

— Nosso projeto tem a intenção de permitir a contribuição da iniciativa privada nas melhorias da nossa cidade. Temos, inclusive, empresas interessadas aguardando apenas a aprovação do projeto — relatou.

Comentários
×