Centro de Triagem encaminha cinco pessoas para tratamento em comunidades terapêuticas

 

Da Redação

Por meio do Centro de Triagem, estruturado no Ginásio Poliesportivo José Constantino Sobrinho, no bairro Niterói, pelo Comitê Gestor da Política Municipal Sobre Drogas, pessoas em situação de rua são acolhidas e encaminhadas para o local. 

Segundo o secretário Municipal de Governo, Roberto Chaves, a iniciativa se apresentou extremamente positiva.

— Desde a estruturação do local, dez pessoas já foram acolhidas e cinco, três homens e duas mulheres, serão encaminhados para o tratamento em comunidades terapêuticas parceiras. Esse tratamento engloba a recuperação de possíveis vícios e, quando ele é concluído, essas pessoas são encaminhadas para o mercado de trabalho. Além disso, buscamos promover a aproximação do acolhido com seu grupo familiar — explicou.

O secretário Municipal de Saúde, Amarildo Sousa, explica a importância do suporte clínico e sanitário concedido ao projeto.

— A Semusa participa desta iniciativa com muito amor. Disponibilizamos consultas de enfermagem e médica para os acolhidos, assim como testes para HIV, sífilis e covid-19. A partir dos resultados adquiridos através destes exames rápidos, as pessoas recebem acompanhamento e orientação mais detalhados de acordo com a necessidade e urgência — esclareceu. 

Já a diretora Sobre Drogas, Luciana Capanema, comemorou mais um dia de acolhimentos no novo Centro.

— Até o momento, nenhuma pessoa abordada por nossa equipe negou o auxílio e aceitaram tranquilamente fazer os exames oferecidos. Trabalhamos com muita credulidade no poder do diálogo, sabemos que por meio da conversa podemos explicar melhor os prós da aceitação desta iniciativa — explicou.

— Nosso olhar principal é a qualidade deste trabalho, acreditamos que terá uma resposta social muito importante e positiva — ressaltou.

O Centro de Triagem se baseia em um projeto complexo, explicou o vereador Renato Ferreira.

— Precisamos lembrar que não são todos os moradores de rua que estão ligados a algum vício. Dos acolhidos, cinco já serão encaminhados para tratamento, mas dois já também foram destinados para o mercado de trabalho. Agradecemos as empresas parceiras que acolheram a ideia e deram essa oportunidade de recomeço a essas pessoas — esclareceu.

Sérgio Dias Bebiano, coordenador do Centro Espírita Jesus de Nazaré, acredita na importância e fortalecimento da iniciativa por meio do apoio da sociedade civil.

— Precisamos agradecer as pessoas que doaram roupas, alimentos e materiais e produtos de higiene, além do trabalho voluntário. Muitas pessoas já foram atendidas neste Centro de Triagem e nosso objetivo é acolher ainda mais pessoas que necessitam. A corresponsabilidade é fundamental para superar os desafios do município — afirmou.

— Quem se interessar em ajudar, através de produtos ou serviços, podem entrar em contato com nosso centro espírita, pelo (37) 3214- 8985, ou com o Sindicato dos Contabilistas de Divinópolis, que é um ponto de apoio do projeto, (37) 3221-1834 — concluiu. 

Como são realizadas as ações de acolhimento

Todas as noites, os voluntários da equipe de abordagem noturna orientam as pessoas de situação de rua. Caso ela aceite a assistência, será feito contato com o Samu para o transporte dos atendidos direcionados ao Centro de Triagem, onde as pessoas terão direito ao banho, roupas limpas e kit de assistência social, além de dormir no local.

No dia seguinte, uma equipe médica vai avaliar o melhor tratamento possível para a pessoa atendida, fazer os exames e realizar o encaminhamento. Além da questão médica, as pessoas que estão em situação de rua por questões financeiras serão assistidas por uma central de currículos, a fim de conseguir oportunidade no mercado de trabalho. 

Comentários
×