Centenário da chegada dos franciscanos em Divinópolis começa a ser comemorado

Lançamento de livro conta a história dos frades na cidade

Da Redação

O centenário da chegada dos frades franciscanos a Divinópolis em 1924 já começou a ser comemorado com a publicação do livro “Franciscanos na Terra do Divino – presença, palavras e ações”, a ser lançado hoje, durante a missa das 19h, presidida por frei Leonardo Lucas Pereira, OFM, no Santuário de Santo Antônio.

Com sete capítulos, em 430 páginas, a obra é uma coletânea de artigos escritos por várias pessoas ‒ a maioria dos quais já foi publicada ao longo dos anos. Conforme frei Leonardo, um dos organizadores do livro, essa publicação “quer apenas relembrar a presença franciscana de 95 anos nas Terras do Divino (1924–2019), 75 anos da Paróquia Santo Antônio, 70 anos da criação da Província Santa Cruz no Brasil, com sede em Divinópolis, de 1949 até 1959”.

Obras franciscanas

O livro “Franciscanos na Terra do Divino – presença, palavras e ações” relembra a presença franciscana em Divinópolis desde o ano de 1924, quando, aceitando o convite de dom Antônio dos Santos Cabral, arcebispo de Belo Horizonte, os frades aqui chegaram em 1924 para assumir a Paróquia do Divino Espírito Santo, a única existente no novo município, emancipado em 1º de junho de 1912. Acompanhado do padre comissário frei Paulo Stein, em 10 de agosto de 1924, chegou a Divinópolis frei Hilário Verheij, que foi instalado como vigário no dia seguinte.

No primeiro capítulo do livro, Mauro Eustáquio Ferreira, que colaborou na organização da obra, traça um panorama da cidade de Divinópolis e da presença franciscana na cidade e nos arredores. Sheyla Lunkes, também organizadora do livro, e Anísio Ferreira, no segundo capítulo, oferecem o resultado de uma pesquisa histórica nos arquivos da Província Santa Cruz e da Paróquia de Santo Antônio, com detalhes dos trabalhos e da vida dos frades no convento e nas paróquias da região, desde os primórdios aos tempos atuais. O terceiro capítulo contém artigos de franciscanos que residiram em Divinópolis em diferentes épocas, os quais foram publicados principalmente no jornal “A Semana”. Artigos sobre os franciscanos, escritos por pessoas diversas, compõem o quarto capítulo, os quais foram extraídos principalmente do jornal “Presença Seráfica”, editado pelo Conselho Municipal de Patrimônio Histórico, Artístico e Paisagístico de Divinópolis em 1995 e 1998. O quinto capítulo é dedicado a frei Bernardino Leers, em comemoração ao centenário de seu nascimento, completado em 8 de novembro de 2019, o qual apresenta aspectos do seu pensamento inovador, em especial na ética cristã, por meio de artigos e entrevistas. No capítulo sexto, presta-se homenagem aos “Franciscanos de Divinópolis” – Adélia Prado e frei Marciano (Antônio) do Prado, irmão de Adélia –, com poemas publicados no jornal “A Semana”, em que a escritora publicava seus trabalhos com o pseudônimo de Franciscana. O sétimo capítulo presta homenagem à província holandesa, formadora da Província Santa Cruz, na pessoa de frei Humberto Randag, que, em 1949, pintou os deslumbrantes murais, sob a técnica de têmpera à caseína, no Santuário de Santo Antônio, de Divinópolis.

O mês de junho e os frades

Junho é um mês muito importante na história de Divinópolis e dos franciscanos. Entre outros fatos importantes, destacam-se: o município foi instalado em 1º de junho de 1912; consultada a Província dos Santos Mártires Gorcomienses, na Holanda, a autorização para a Ordem, por meio do Comissariado Franciscano, estabelecer-se no Brasil, em Divinópolis, chegou por telegrama em 20 de junho de 1924; em 16 de junho de 1926, com 16 seminaristas, os frades, que moravam no sobrado da antiga praça da matriz, mudaram-se para o novo prédio com sua frente e ala esquerda já prontas, e a ala direita ficou pronta em junho de 1928. Ao segundo vigário da Paróquia de Santo Antônio, frei Carlos Schep, empossado em 17 de junho de 1945, coube a conclusão do Santuário, tendo sido ele o responsável pela vinda do frade-artista holandês frei Humberto Randag para pintar os murais que ornamentam o interior do templo. Em 4 de junho passado, lembrou-se o 10º aniversário da Páscoa definitiva de frei Bernardino. Ainda: em 13 de junho comemora-se o dia do padroeiro do Santuário: Santo Antônio.

Comentários
×