Cemig orienta população sobre riscos de queimadas durante a seca

Da Redação

A Cemig procura reduzir os desligamentos provocados por queimadas que atingem o sistema elétrico da companhia, alertando a população a respeito dos riscos e consequências dessa prática – mais frequente nesta época do ano, caracterizada por baixa umidade e vegetação seca. Levantamento realizado pela empresa apontou que mais de 3.500 clientes ficaram sem energia entre janeiro e maio de 2020, após incêndios atingirem a rede elétrica. Mais de 30 interrupções causadas pelo fogo foram registradas na área de concessão da Cemig neste período, sendo a maioria concentrada nas regiões Centro e Leste de Minas Gerais.   

No mesmo período de 2019, foram cerca de 5.300 clientes sem energia após incêndios atingirem a rede elétrica e mais de 40 interrupções causadas pelo fogo registradas na área de concessão, sendo a maioria das ocorrências também na região Leste do estado.   

Os incêndios podem provocar danos aos postes e cabos condutores. Nessas situações, é necessário substituir equipamentos, atividade que provoca a demora na religação dos circuitos atingidos.

— Curtos-circuitos decorrentes de aquecimento e fumaça provenientes de incêndios podem levar ao desligamento de linhas de transmissão, linhas de distribuição e subestações e, ainda, causar graves acidentes com pessoas que estão próximas a estas áreas e outros transtornos para quem depende da energia elétrica que foi interrompida pela queimada — explica o gerente de Saúde e Segurança do Trabalho da Cemig, João José Magalhães Soares.

— Além dos danos ao setor elétrico, as queimadas prejudicam a segurança dos motoristas, que têm a visibilidade das pistas comprometida e, no ambiente rural, reduzem a produtividade nas áreas de cultivo, além de causar impacto na fauna e no habitat natural de animais — completa o gerente. 

Conscientização

Queimadas perto de linhas de transmissão podem deixar hospitais, comércios e escolas sem energia. É crime e pode dar cadeia. Por isso, a empresa desenvolve, anualmente, uma campanha de prevenção de queimadas próximas às linhas de transmissão. As ações de conscientização previstas na campanha deste ano - que terá início no mês de junho, com o tema “Respeito à vida: essa é a fonte da nossa energia” – têm como foco a criminalização das queimadas e suas consequências legais para os envolvidos nesta prática. 

— A campanha abrange todo o estado, mas foi preparada uma divulgação mais intensa nas regiões Triângulo e Leste, em especial em torno da linha de transmissão Mesquita-Vespasiano – que possui quase 150km de extensão e é a principal fonte de suprimento de energia elétrica da região Leste - onde houve aumento no número de queimadas com desligamento no ano passado — destaca o gerente de Comunicação e Marketing da Cemig, Elieser Francisco Correa.

Medidas de segurança

Para evitar e minimizar possíveis danos provocados pelo fogo, a Cemig realiza ações preventivas, investindo na limpeza de faixas de servidão, com poda de árvores e arbustos e remoção da vegetação ao redor dos postes e torres. A companhia também realiza inspeções em suas linhas de transmissão, para identificar e mitigar riscos potenciais.

Algumas medidas simples podem ser tomadas pela população para conter os riscos. As pessoas devem apagar com água o resto do fogo em acampamentos, para evitar que o vento leve as brasas para a mata.

— Também existem restrições para a realização de queimadas e, quando permitidas por lei, não devem ser realizadas a menos de 15 metros de rodovias, ferrovias e do limite das faixas de segurança das linhas de transmissão e distribuição de energia. A Cemig lembra ainda que é proibido o uso de fogo em áreas de reservas ecológicas, preservação permanente e parques florestais. Em caso de incêndios, o Corpo de Bombeiros (193) ou as Brigadas Voluntárias de Combate a Incêndios Florestais devem ser avisados o mais rápido possível — completa o gerente de Saúde e Segurança do Trabalho, João José.

Vale destacar que todos podem denunciar a prática de queimadas ilegais, de maneira anônima, ligando gratuitamente para o telefone 181.

Comentários
×