Casos suspeitos de coronavírus são descartados pela Semusa

Matheus Augusto

Divinópolis ficou em alerta na segunda-feira, 2, após a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) divulgar que a cidade tinha três casos suspeitos de coronavírus. Porém, conforme informou a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) logo em seguida, os registros devem ser descartados nos próximos dias. Ao Agora, a Semusa informou ontem que aguarda o resultado de outros testes para, então, descartar definitivamente as ocorrências.

— Os três idosos estão bem, saíram da quarentena e vieram até a Secretaria hoje [ontem] buscar alguns exames. O do coronavírus já deu negativo e foram feitos exames para diversos outros vírus. Para o coronavírus já está totalmente descartada. A gente vai informar para o Estado assim que saírem os resultados dos exames restantes — esclareceu.

A secretaria também informou que os pacientes investigados são duas mulheres, com 69 e 71 anos, e um homem, de 62 anos.

Descarte não-oficial

O boletim divulgado na segunda-feira pela pasta estadual aponta a cidade com três casos notificados. No entanto, segundo a Prefeitura, tais pacientes testaram negativo para a doença.

— Os resultados dos exames chegaram nesta segunda-feira, 2 de março, e as suspeitas foram descartadas, porém a Semusa ainda não fechou os casos no sistema estadual, pois quer fazer mais uma visita aos pacientes e verificar se está tudo em ordem — ressaltou.

A Prefeitura informou ainda que a suspeita nasceu pelo risco de contágio ao qual os pacientes foram possivelmente expostos.

— As pessoas fizeram uma excursão à Europa, que passou na Itália. Dentro do avião, havia uma senhora que estava com dificuldades respiratórias. Como no voo tinha uma médica, ela orientou procurassem a Semusa. A senhora foi diagnosticada com uma síndrome respiratória aguda, mas, por precaução, foi colocada em quarenta, juntamente com outras pessoas que apresentavam sinais de gripe — destacou.

Início

O primeiro caso suspeito de coronavírus em Divinópolis foi divulgado na última quinta-feira, 27. Na oportunidade, a Prefeitura divulgou uma nota destacando o trabalho da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para investigar a notificação.

— Especificamente sobre o caso registrado na UPA, a Prefeitura informa que a paciente apresentava quadro de enjoo e diarreia. A relação com o coronavírus se deu pelo fato de ela ter participado recentemente de um cruzeiro marítimo. Porém, não há nenhum registro de casos entre os passageiros dessa viagem. Ela foi atendida, e amostras foram colhidas para exames. Em seguida, ela foi liberada, mas continua sendo acompanhada pela Vigilância em Saúde até o descarte definitivo da doença — pontuou.

Ainda segundo a Prefeitura, o caso seguiu o procedimento padrão estabelecido para lidar com esse tipo de situação.

— O Município foi o primeiro do interior de Minas a adotar o protocolo de atendimento para casos relacionados à doença. Por isso, todos os registros que possam ter algum tipo relação com a enfermidade, obrigatoriamente, obedecem às regras de atendimento e acompanhamento. Por isso a necessidade de, no primeiro momento, o isolamento conforme preconiza o plano municipal de contingência — informou.

Estado

Minas Gerais, com 48 pacientes, é o terceiro estado com o maior número de casos suspeitos de coronavírus, ficando atrás apenas de Rio Grande do Sul (73) e São Paulo (153). No território estadual, 16 cidades investigam ocorrências.

Divinópolis e Uberlândia aparecem na lista como os municípios com o terceiro maior número de casos notificados, com três ocorrências cada. Belo Horizonte lidera a lista, com 19 registros suspeitos – três já foram descartados. Contagem e Varginha analisam quatro suspeitas cada. Já Barbacena, Betim, Ipatinga, Juiz de Fora, Lavras, Montes Claros, Mutum, Ouro Preto, Sete Lagoas, Uberaba e Viçosa têm um registro cada. Além disso, o Estado acompanha a situação de quatro mineiros no exterior (um na Alemanha e três na Itália) – um, na China, foi descartado.

Conforme a Secretaria de Estado de Saúde (SES), Minas Gerais registrou o primeiro caso suspeito de coronavírus no dia 28 de janeiro. Das ocorrências investigadas, 27 são homens e 21 são mulheres, com idades entre um ano e 67 anos.  Dessas, 39 (81%) possuem histórico de viagens para Itália, França, Inglaterra e Portugal – o restante, nove pacientes (19%), teve contato com outros casos suspeitos.

Ainda de acordo com a secretaria, a maior parte dos pacientes apresentou febre (77%) e tosse (75%). Outros sintomas identificados são: dor de garganta (40%), dificuldade de respirar (10%), diarreia (10%), náuseas (4%), cefaleia (15%), coriza (19%) e fadiga (10%). A pasta ainda divulgou que 19 pacientes (40%), após o primeiro atendimento, precisaram ser internados.

Brasil e mundo

O Ministério da Saúde também informou ontem que monitora 488 casos suspeitos de coronavírus. Até ontem, dois registros, ambos residentes em São Paulo, testaram positivo para a doença. No entanto, o ministério não vê motivos para pânico.

— Os casos são importados e, por isso, não há mudança da situação nacional, pois não existem evidências de circulação sustentada do vírus em território brasileiro — afirma.

O relatório de 1º de março da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontava que, em todo o mundo, a doença foi confirmada em 87.137 mil pacientes e matou 2.977 pessoas.

Comentários
×