Carreta carregada com drogas e armas é apreendida na MG-050 em Divinópolis

Rafael Camargos

Uma carreta carregada com cerca de duas toneladas de maconha e 40 pistolas foi apreendida pela Polícia Militar Rodoviária (PMR) na manhã desta segunda-feira, 23, na MG-050, em Divinópolis. O veículo vinha de Foz do Iguaçu, no Paraná, e todo o material estava escondido em meio à carga de farinha de trigo.

De acordo com a PM, o motorista Júlio César Pereira de Carvalho, de 39 anos, recebeu a informação de que iria transportar a droga de Foz do Iguaçu, no Paraná, para a cidade. Ele chegou à região na noite de domingo, 21, e dormiu na carreta, que estava estacionada em um posto de combustíveis. Pela manhã ele saiu do posto e foi ao sítio no povoado de Cacoco, aonde a droga seria descarregada, mas os pneus do veículos furaram e ele teve que chamar um borracheiro. Para fazer o serviço ele iria receber a R$ 5 mil.

A Polícia Militar (PM) recebeu uma denúncia por volta das 8h30 informando de que a carreta carregada com as drogas e as armas estaria estacionada atrás do Motel Muralhas, na MG-050.

Policiais foram ao endereço da denúncia e encontraram a carreta, com placa de Céu Azul, Paraná, carregada de farinha de trigo, estacionada. Uma segunda viatura que chegou ao local impediu a fuga em uma Palio Weekend onde estavam Marquito Teixeira Porto, de 38 anos, e a companheira, Drielly Sthefani de Andrade, de 31.

Confissão

De acordo com o comandante do 23º Batalhão da Polícia Militar (BPM), tenente coronel Marcelo Augusto dos Santos, foram constatadas diversas irregularidades e Júlio Cézar de imediato confessou o crime.

— De pronto ele já disse que teria droga no veículo e que estava vindo de Foz do Iguaçu. Falou ainda que recebeu R$ 5 mil para transportar essa mercadoria. A carreta tinha uma carga de farinha de trigo e a droga e as armas se encontravam no interior da carreta — comentou o comandante.

A soma de materiais apreendidos nunca foi vista em Divinópolis. O comandante Marcelo Augusto fez questão de exaltar o número de armas. Trinta das quarenta armas apreendias tem a venda proibida no Brasil e as outras dez são nacionais. Todas de uso restrito e policial.

— Cabe destacar que as armas apreendidas são importadas, da marca Glock, inclusive de venda proibida no Brasil. São pistolas, 30 de calibre .40, exclusivas das forças policiais e mais dez pistolas calibre 9 milímetros, também de uso exclusivo das forças policiais, da marca Taurus — frisou Marcelo Augusto.

Comentários
×