Candidatos reclamam da organização de concurso da Emop

Da Redação 

Candidatos registraram ocorrência policial por se sentirem prejudicados no Concurso da Empresa Municipal de Obras Públicas (Emop). As provas foram aplicadas neste domingo, 9, e segundo participantes, o concurso não contou com a organização necessária. 

Candidatos reclamavam da troca repentina dos locais de prova. Alguns disseram que ao chegarem no local, não encontraram o nome na lista da escola. A empresa Àsectta foi a licitada para organização das provas. A empresa divulgou na última quarta, 5, as escolas que receberiam a aplicação do exame.

Outras reclamações também foram registradas como a dificuldade de chegada as locais de prova, já que em dias de domingo, a frota de transportes público na cidade funciona de forma reduzida. Candidatos registram boletins de ocorrêncas alegando que foram prejudicados pelos da organização da prova.

Ao Agora, o diretor geral da Emop, Antônio Eustáquio, disse que todas as medidas foram tomadas para a organização do concurso. Segundo ele, a Emop obedeceu todas as regras legais da Lei 866 sobre as determinações para proceso de licitação e que a Ásectta foi a empresa que melhor se enquadrou nos critérios. Perguntado sobre o horário de fechamento dos portões, ele disse que também foram obedecidas as regras previstas em edital.

— A maior parte dos que tiveram atraso, é que provavelmente não leu o edital, ou confundiram o horário -, disse.

Sobre a dificuldade que alguns candidatos tiveram em chegar aos locais de prova, o diretor falou que todos os orgãos competentes, inclusive a Trancid, foram comunicados da realização do concurso e da quantidade de pessoas que se inscreveram.

O concurso recebeu mais de 6 mil inscrições. O Agora entrou em contato com a Àsectta, mas até o momento não obteve retorno. Mais informações durante o dia.

Comentários
×