Caminhoneiros não descartam nova paralisação

Bolsonaro estuda conceder benefícios à categoria para evitar protesto

Da Redação

Após quase um ano, caminhoneiros podem começar uma nova paralisação. A situação ainda é incerta e ainda não há um posicionamento oficial em relação à mobilização. A indefinição da categoria é se serão realizados movimentos pontuais ou uma paralisação completa, como aconteceu em maio do ano passado. 

Medidas

Ciente da possibilidade da paralisação, o governo já articulou ações para evitar o movimento. Na última terça-feira, 26, a Petrobrás anunciou mudanças na periodicidade do reajuste do preço do diesel. Com isso, o preço desse combustível nas refinarias só poderá ser alterado após 15 dias; o prazo anterior era de sete dias.

A companhia também anunciou a criação do Cartão Caminhoneiro, a fim de dar estabilidade ao caminhoneiro sobre o preço do combustível durante seu trajeto.  Essa era uma das reclamações dos profissionais da área, pois eles calculavam o frete a ser cobrado para o transporte e com aumento do combustível, a viagem acabava não sendo lucrativa.

— Informamos ainda que nossa subsidiária, Petrobras Distribuidora S.A. (BR), está desenvolvendo, para implantação num período estimado em 90 dias, um cartão de pagamentos que viabilizará a compra por caminhoneiros de litros de diesel a preço fixo nos postos com a bandeira BR (Cartão Caminhoneiro). O cartão servirá como uma opção de proteção da volatilidade de preços, garantindo assim a estabilidade durante a realização de viagens — informou a Petrobras.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) explicou, através das redes sociais, que, com essa nova medida, o caminhoneiro irá poder comprar a quantidade necessária de diesel para sua viagem através do cartão, e utilizar nos postos credenciados ao longo do trajeto. Ainda segundo o presidente, novas medidas devem ser adotadas na próxima semana para beneficiar a categoria, porém não deu mais detalhes.

A estatal ressaltou que, em pesquisa da Globalpetrolprices.com, o Brasil tem o preço do diesel 18% inferior à média global, ocupando a 57ª posição (de 163 países).

Preço

Durante o mês de mobilização dos caminhoneiros em 2018, o preço médio do diesel, em Minas Gerais, era de R$ 3,753; em algumas localidades o valor chegava a R$ 4,357. Neste mês de março, o preço médio, calculado pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), chegou a R$ 3,598; o máximo encontrado em alguns postos foi de R$ 4,589.

Comentários
×