Camelódromo vai virar praça

Na discussão sobre a retirada dos camelôs da rua São Paulo há os que defendem que a via deve ser reaberta e ligada à avenida Getúlio Vargas, para melhorar a fluidez do trânsito, e há outros que desejam ali o prosseguimento da praça existente acima do espaço. Que o Centro da cidade deve valorizar o pedestre é indiscutível. Mas, é de se prever que essa possível mudança dos camelôs gere muita controvérsia.

O Centro é do pedestre

Pedestrianização radical para os centros da cidades, ou seja, tornar as ruas e demais espaços da região acessíveis aos pedestres, já é realidade em várias capitais do Brasil e do mundo. A mobilidade urbana no Brasil estava impregnada da cultura “carrocrata”. Hoje, carro como dono das ruas é um conceito que não resiste à demanda das pessoas.

Até então, as cidades cresciam em torno do seu centro, valorizando os veículos. Com isso, criava-se um entrave à locomobilidade, tanto para pedestres quanto para o trânsito, provocando os congestionamentos. Em Divinópolis, só não é maior o caos no trânsito urbano porque o ex-prefeito e arquiteto urbanista Aristides Salgado criou a faixa especial para o transporte coletivo. Também vem do ex-prefeito a solução para descongestionar o Centro de Divinópolis, ao conceber um novo núcleo comercial vibrante no entorno da rodoviária. É preciso urgentemente desafogar o trânsito do Centro da cidade, criando novos pontos comerciais urbanos. Em Divinópolis, podem ser criados alguns destes pontos em torno da UPA Padre Roberto, do novo fórum, da Prefeitura, da universidade federal e do hospital público. Basta que o prefeito, os vereadores e os deputados tenham vontade política, mentalidade evoluída, moderna e criatividade diante do leque de possibilidades.

O voto de cada um

Cada eleição tem sua história. Seja boa ou ruim a votação, isso não significa necessariamente que o candidato vá repetir o desempenho em eleição seguinte. No entanto, serve como parâmetro à análise política.

Veja a performance eleitoral em eleições passadas (e em cargos diversos) dos mais citados pré-candidatos a prefeito de Divinópolis.

- Demetrius Arantes Pereira - 69.502 votos;

- Cleitinho Azevedo - 61.010 votos;

- Galileu Machado - 58.544 votos;

- Marquinho Clementino - 34.239 votos;

- Jaiminho Martins - 31.678 votos;

- Sargento Elton - 25.006;

- Fabiano Tolentino - 18.284 votos.

STF

Recusar a prisão em segunda instância significa que nos tornaremos o primeiro país da história humana cuja penalização social, após a certeza do crime cometido, não poderá ser efetivada contra o seu feitor ou financiador. Seremos o único país do mundo onde, agora por vias legais, o crime realmente compensará.

Luz no fim do túnel

Antes das eleições de 2020, o desemprego atingirá um dígito. O IBGE comprova tendência de queda no desemprego. Eram 12,7% no trimestre terminado em março e 11,8% no último trimestre. A expectativa entre economistas é de que o índice rompa a barreira psicológica de 10% antes mesmo do processo eleitoral no ano que vem.

O governo Bolsonaro trata o tema com reservas, mas a aprovação da reforma da Previdência deixa mais difícil conter a euforia.

Rodando em círculo

A Argentina deve ser o único país do planeta de onde a população tirou quem não conseguiu resolver o problema (Mauricio Macri) e colocou de volta os que causaram o problema (Cristina Kirchner).

As CPIs que faltam

Já escrevi aqui que esta quantidade de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) pedidas por vereadores à Câmara Municipal de Divinópolis é apenas uma estratégia para disfarçar a ausência de projeto que encante e emocione os eleitores. Como eles gostam de pedir CPI, proponho aqui que se criem mais três:

- CPI para descobrir quais vereadores estão na gaiola do prefeito;

- CPI para descobrir qual chá é servido na Prefeitura que muda voto de vereador;

- CPI para descobrir quais vereadores indicaram cargos para seus protegidos na Administração e mesmo assim cospem no prato em que comem.

Comentários
×