Câmara de Divinópolis vai apurar atrasos em pagamentos a servidores municipais

 

 

Da Redação 

Representantes do Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e Região Centro-Oeste de Minas (Sintram) e do Sindicato dos Trabalhadores da Educacão de Divinópolis (Sintemmd) se reuniram com vereadores nesta segunda-feira, 26. O objetivo foi pontuar reivindicações de servidores municipais.

A professora Aparecida Oliveira disse ao presidente da Câmara, Adair Otaviano (MDB), que um ofício foi enviado ao Legislativo em 2017 pedindo que os vereadores fiscalizassem a destinação do dinheiro enviado ao Fundo Municipal da Educação.

Outro assunto abordado por Aparecida foi o fato de professores não estarem recebendo seus salários em dia. Aparecida afirmou que essa situação precisa se normalizar, pois servidores têm contas a pagar. Ela sugeriu a formação de uma comissão.

Já a presidente do Sintram, Luciana Santos, disse ter ido à Câmara para buscar apoio dos vereadores quanto ao atraso nos salários dos servidores. Desde setembro de 2017 a classe sofre com inconstâncias nas datas de pagamentos.

— Gostaríamos que essa comissão seja composta por parlamentares e também por servidores, para que seja possível que os dois lados acompanhem os planejamentos da Prefeitura com relação aos salários dos servidores, para que não ocorra no ano passado, quando, a partir de setembro, houve descontrole e o Município começou a atrasar os pagamentos. Se for feito um planejamento desde agora, o risco é menor — avaliou Luciana Santos.

 Recomposição 

O servidor Eduardo Barreira levantou a questão da recomposição salarial, que já deveria ser concedida a partir de março. As negociações também são um ponto que já deve ser considerado pela comissão, segundo os sindicatos.

A vereadora Janete Aparecida (PSD) concordou em elaborar um documento que deverá ser entregue à Prefeitura com as reivindicações dos dois sindicatos.

Adair Otaviano relembrou a votação da extinção do piso salarial dos servidores votado em 2015 e avaliou que agora as dificuldades poderão ser ainda maiores considerando a atual situação financeira do município.

— A informação que temos é de que a Prefeitura optou por pagar as dívidas da gestão anterior e por isso corre risco de fechar o ano com déficit nas contas. Vamos instituir esta comissão especial e lutar para que o prefeito arque pelo menos com o salário dos servidores — frisou Adair.

A comissão especial é composta por Renato Ferreira (PSDB), Ademir Silva (PSD), Eduardo Print Júnior (SDD), Luciana Santos e mais um membro do Sintemmd.

 

 

 

Comentários
×