Bueiros escondem toneladas de lixo

 

Matheus Augusto

Nem a lei tem sido suficiente para impedir o acúmulo de lixo em vias e bueiros. A Prefeitura informou que a Secretaria Municipal de Operações e Serviços Urbanos (Semsur) retira, diariamente, cerca de cinco toneladas de entulhos em bueiros da cidade. Da bituca de cigarro aos panfletos distribuídos em massa no Centro da cidade e restos de construção civil, a Semsur já recolheu mais de 600 toneladas de resíduos em bueiros neste ano.  

A limpeza, nesta semana, se concentrou na região Central da cidade, como nas ruas Rio de Janeiro com 1º de Junho, 21 de Abril com Pernambuco, e na Antônio Olímpio de Morais com João Notini.

Aprovada em reunião ordinária no dia 21 de maio, a Lei 8.601/2019 já está em vigor e prevê multa para pessoas e estabelecimentos que descartarem lixo em ruas ou bueiros.

Multa

O projeto, de autoria do vereador Nego do Buriti (PEN), determina multa de uma Unidade Padrão Fiscal do Município de Divinópolis (UPMFD) para quem for flagrado jogado lixo nas vias públicas, e, em caso de reincidência, a cobrança é dobrada. Neste ano, o valor da UPFMD está estabelecido em R$ 74,51.

Estabelecimentos comerciais também podem ser punidos, caso sejam flagrados cometendo o descarte irregular de lixo, com interdição e cassação do alvará de localização e funcionamento.

Como informado pelo Agora, a Prefeitura definiu a Secretaria de Meio Ambiente como responsável pela fiscalização. Ainda de acordo com o Executivo, a vigilância será realizada pelos mesmos agentes encarregados de monitorar os camelôs.

Lei

De acordo com Nego do Buriti, a multa serve como uma forma de alertar a população sobre o acúmulo de lixo nas vias.

— As pessoas descartam a todo momento lixo nas calçadas e ruas, como um papel de bala, bituca de cigarro, latas, garrafas e diversos tipos de materiais, e pensam que por serem pequenos, não farão diferença. Mas, ao contrário do que pensam, os riscos causados pelo acúmulo de lixo são enormes — defende.

Na justificativa do projeto, o vereador também destacou as consequências para a saúde pública, como dengue.

— O acúmulo de lixo pode gerar diversos problemas à nossa saúde, pois podem servir de abrigo e alimento para animais e insetos que são vetores de doenças — explica.

Outro ponto para sustentar a aprovação da lei é o alto custo para manter as vias sem lixo.

— Além disso, existe um gasto elevado para manter a cidade limpa. Com uma ação governamental que vai desde a educação da população, através de campanhas, e até a aplicação de multas, conseguiremos combater de forma eficaz o descarte de lixo em locais impróprios nos logradouros públicos, conseguindo, com isso, além de alcançar uma grande economia para os cofres públicos, manter o nosso município muito mais bonito — destaca.

Gravidade

De acordo com o coordenador de Drenagem e Saneamento da Semsur, Túlio Ferreira Nunes, o acúmulo de lixo é um dos fatores que contribuem para alagamentos.

— Retiramos aproximadamente cinco toneladas de rejeitos por dia dos bueiros. Entre os descartes encontramos de tudo: pedaços de móveis, latas, garrafas pet e sacolas plásticas, o que pode ocasionar alagamentos em períodos chuvosos, dentre outros agravantes — destaca Túlio.

Ainda segundo o coordenador, oito bueiros recebem limpeza diariamente, e outros quatros são restaurados.

— Temos média de limpeza de 120 bueiros por mês, o que, somente este ano, nos leva à quantia de aproximadamente 720, equivalente a mais de 600 toneladas de resíduos, apenas em 2019 — explica.

Túlio alerta para a necessidade da população se conscientizar sobre a gravidade do simples ato de jogar lixo em locais indevidos.  

— É importante que cidadãos saibam que todo lixo jogado por eles em rua com frequência para em bueiros e retorna como transtorno — pontua.

 

Comentários
×