Briga pela Prefeitura tem mais de R$ 10 mi em patrimônio

Apenas dois envolvidos não registraram bens no site do TSE

Matheus Augusto

A disputa eleitoral pela Prefeitura não envolve apenas muitos candidatos, mas também muito dinheiro. Os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que, em Divinópolis, os 18 envolvidos na briga pelos cargos de prefeito e vice somam mais de R$ 10 milhões em patrimônio. Apenas dois nomes não cadastraram bens. 

As informações estão disponíveis em: http://divulgacandcontas.tse.jus.br/

Valem ouro

A chapa mais valiosa é composta por Fabiano Tolentino (CDN) e Jaime Martins (DEM). O candidato a prefeito possui R$ 164.470,99 em bens. Já o ex-deputado federal por seis mandatos aparece com  R$ 5.044.666,97.

Outra chapa valiosa também tem parcialmente histórico político. O ex-vereador Sargento Elton (Patriota) possui R$ 850.477,68 e lidera a chapa formada pelo partido. Seu vice, o empresário Fernando Malta (PSL), possui um patrimônio avaliado em R$ 1.875.000,00.

Sem bens

Nem tudo é fortuna. Alguns candidatos, informa o TSE em sua plataforma de consulta, não cadastraram bens. Um deles é Gleidson Azevedo (PSC). Sua vice, Janete Aparecida, do mesmo partido, declarou R$ 484 mil.

Quem também não declarou bens foi a candidata a vice-prefeita Camila Lacerda (PC do B). Ela integra a aliança com a Professora Maria Helena, que cadastrou um bem, no valor de R$ 9 mil.

Adversários conhecidos

As demais chapas também apresentam valores significativos. Candidato à reeleição, Galileu Machado (MDB) apresentou aos TSE o valor R$ 371.313,42. Seu vice, Cleo Dnar de Mesquita Júnior, que na urna será identificado como Cleo do Bloco do Cleo, declarou R$ 9,5 mil.

Novamente concorrendo ao cargo de prefeito ‒ em 2016, ficou na segunda colocação ‒, Marquinho Clementino (Republicanos) cadastrou R$ 300 mil em bens. Ao seu lado, ele terá a participação da socióloga Andréia Rabelo (PDT), que avaliou seus pertences em R$ 35.534,52.

Primeira vez

Novo na briga, mas com experiência no âmbito político, Will Bueno se aliou a Douglas Maia, ambos do Progressistas (PP), para disputar a eleição. Ele declarou ao tribunal um patrimônio de R$ 62.433,47. Já seu vice, de R$ 294.899,90.

Neste ano, Divinópolis terá uma chapa unipartidária ‒ ambas as candidatas são do Solidariedade ‒ formada apenas por mulheres: Laiz Soares e Giovana Garrôcho. Laiz cadastrou bens avaliados em R$ 41 mil, sua vice, R$ 84 mil.

Na briga pelo cargo máximo do Executivo, Iris Moreira (PSD) declarou um único bem, avaliado em R$ 12 mil. Seu vice, Valdir Brandão, do mesmo partido, cadastrou seis itens, avaliados em R$ 831.486,00. 

Ao todo, os 18 envolvidos na disputa somam cerca de R$ 10,4 milhões em patrimônio. 

A situação de todos os candidatos ainda permanece em julgamento na Justiça Eleitoral.

Colinha

Os números dos candidatos também já foram confirmados pelo TSE, conforme cada partido. Em ordem crescente, são: Marquinho Clementino (10), Will Bueno (11), Professora Maria Helena (13), Galileu (15), Gleidson Azevedo (20), Fabiano Tolentino (23), Sargento Elton (51), Iris Moreira (55) e Laiz (77).

Mudanças

Devido à pandemia causada pelo coronavírus, a eleição deste ano terá procedimentos singulares. O horário de votação, por exemplo, foi ampliado para 7h às 17h. O período entre 7h e 10h é preferencial para pessoas acima de 60 anos. O tribunal também divulgou nesta semana que será possível justificar as ausências no 1º e no 2º turno por meio do aplicativo e-Título, disponível para Android e iOS. O eleitor terá 60 dias após cada pleito para apresentar sua justificativa.

— Até as eleições, o e-Título estará atualizado para que as justificativas possam ser apresentadas a partir do dia da votação por quem não compareceu ‒ por estar fora do domicílio eleitoral ou impedido de ir à zona eleitoral — informou.

Também é possível gerar certidões de quitação eleitoral e de nada consta de crimes eleitoral, bem como fazer a autenticação de documento da Justiça Eleitoral

O acesso ao aplicativo é gratuito.

 

Comentários
×