Bom começo do Guarani

José Carlos de Oliveira

Muitos dizem que, neste início de campeonato, o que valem são os três pontinhos e vencer nem que seja por meio a zero é o que importa. E nisso estão cobertos de razão, pois trabalhar em cima de um resultado positivo é melhor para todo mundo, da comissão técnica à diretoria. O placar mínimo de 1 a 0 frente o forte time do Betim Futebol, no sábado, 8, em sua estreia no Campeonato Mineiro 2020, era tudo que o Guarani precisava neste momento, quando busca retornar ao lugar que é seu por direito: a elite do futebol das Minas Gerais.

Boa apresentação

No confronto de sábado, a equipe comandada pelo técnico Wantuil Rodrigues não fez uma apresentação dos sonhos, mas jogou o suficiente para dar esperanças aos seus torcedores, que viram alguns bons valores em campo.

Time jovem

O elenco está repleto de caras novas, jogadores que subiram da base, com sangue nos olhos e muita vontade de vencer no futebol, e será justamente este o diferencial deste novo time alvirrubro na temporada. A garra e a raça dos mais novos inflamará o ambiente para os lados de Porto Velho, e muita coisa boa pode sair daí, com o casamento entre time e torcida levando o Bugre novamente ao lugar mais alto da tabela e à divisão principal do futebol mineiro. 

Fazendo a diferença – No duelo de sábado, a torcida não foi a esperada para uma estreia de Mineiro, não lotou as arquibancadas do Farião, mas mesmo assim mostrou a que veio, empurrando o time e vibrando com cada boa jogada dos novos garotos do Bugre. E será justamente este casamento entre o time e sua torcida que poderá fazer a diferença este ano. Com os torcedores de seu lado, o Alvirrubro tem tudo para ter uma temporada de vitórias. E vamos que vamos, Bugre!!!

 

E agora, Dudamel?

Já diz um velho ditado: “Pimenta nos olhos dos outros é refresco”. E disso parece entender bem o técnico venezuelano Rafael Dudamel, que comanda o Galo mineiro. No duelo frente o Tombense, dias atrás, quando o time que dirige não conseguiu furar a forte retranca armada pelo técnico Eugênio Souza, ele deitou falação, chamando o comandante adversário de “mesquinho” e outros adjetivos.

Mas não é que ele usou do mesmo artifício para se dar bem no fim de semana? Na partida de domingo, 9, quando o Atlético derrotou a União Recreativa dos Trabalhadores (URT) pelo placar de 1 a 0, ele usou de todas as armas que tinha em suas mãos para segurar a vantagem mínima. Terminou o duelo com dois laterais direitos, quatro volantes e apenas um atacante em campo, tudo para voltar a vencer no estadual.

Faz parte

Nada contra Dudamel ter segurado a vitória e os três pontinhos na tabela, afinal, é ele quem dirige o Atlético e sabe como ninguém o que é melhor para o seu time neste momento. Mas, quando as armas forem usadas contra ele pelos seus adversários, que ele fique na sua, de boca fechada. Simples assim!!!

Gol legal

E por falar no duelo da noite de domingo, em Patos de Minas, diretoria e jogadores da URT têm, sim, razões para reclamar da arbitragem da partida. O gol anulado quando o placar ainda estava em branco – o bandeirinha Celso Luiz da Silva marcou impedimento –, foi legal e o juiz errou feio no lance.

 

Comentários
×