Bola volta a rolar nas competições nacionais e internacionais

O meio de semana é de rodada completa pela Série A do Campeonato Brasileiro. Depois da paralisação de mais de um mês, para a disputa da Copa do Mundo da Rússia, os clubes voltam agora suas atenções para o maior torneio de futebol das Américas e, “quiçá”, do Mundo.

É sim o melhor 

Muitos podem até discordar, mas o campeonato nacional é sim o melhor torneio de futebol disputado no mundo. Pode até não ser em qualidade, afinal os melhores jogadores do Brasil jogam na Europa, mas a Série A do Brasileirão é, sim, a melhor competição do planeta bola, com a disputa pelo título envolvendo muitos clubes. Desde sua primeira rodada, é difícil a qualquer analista, e mesmo aos torcedores, apontar apenas um, dois favoritos, tamanha é a igualdade de forças entre os concorrentes.

Segue o líder 

Antes da parada para a Copa, o Flamengo liderava o torneio, com 27 pontos somados, seguido de perto por Atlético e São Paulo, com 23, e pelo Internacional, com 22. Agora, na rodada do meio de semana, começa a se desenhar quem tem bala na agulha para seguir o líder. E mesmo para se saber se o rubro-negro carioca vai manter o mesmo pique de antes do mundial. 

Mudanças 

E motivos há de sobra para se esperar para saber o que vem por aí. E mesmo se uma reviravolta no Brasileirão está ou não a caminho. Com muitas equipes perdendo jogadores importantes e outras tantas se reforçando para a disputa, o torneio deve e pode mudar sua cara. E olha que a janela de transferências internacionais, de meio de ano, ainda vai pela metade. 

Mineiros 

Entre os clubes mineiros, o que menos sofreu alterações em seu elenco foi o Cruzeiro, que manteve seus principais jogadores e ainda trouxe um bom reforço, o atacante argentino Hernán Barcos. Já Atlético e América sofreram perdas consideráveis, justamente de seus principais jogadores, que foram negociados para o exterior.

Hoje, a pergunta que fica é para se saber quem estará mais enfraquecido: o Atlético sem Blanco e Róger Guedes, ou o América, sem Serginho.

Num primeiro momento, muitos podem até apontar o Atlético, mas resta analisar o peso de cada jogador para suas equipes. E cá para nós, é fácil se notar que é o América quem fica mais enfraquecido sem Serginho. E o motivo é bem simples: o Coelho não tem um substituto à altura para o meia, que foi negociado pelo Santos.

Já o Atlético se reforçou com bons nomes. Se eles vão ou não dar certo são outros quinhentos.

Não à permanência de Tite

Terminada a Copa do Mundo, a hora é de analisar, com calma, o tamanho do fracasso da seleção brasileira, comandada pelo técnico Tite. O time canarinho caiu nas quartas de final para a Bélgica, num torneio em que tinha nas mãos a chance de título, depois que seus principais concorrentes saíram da disputa.

Queiram ou não seus defensores, foi o técnico Tite o principal responsável por mais um “vexame” do futebol brasileiro. Sua teimosia com determinados jogadores custou bem caro ao Brasil. E só não enxerga esta verdade quem não quer. 

Não, mil vezes não 

E quando já começam a apostar em sua permanência, a hora é de a torcida dar o grito e pedir por mudanças radicais no time canarinho. Com Tite no comando, nada de novo será apresentado pelo Brasil nos próximos anos.

E verdade maior que esta não há.

Não tem outro 

Mas não tem ninguém melhor hoje no Brasil, dirão alguns. E daí? A tarefa de encontrar uma solução é dos dirigentes da CBF. E se fizerem um pouquinho só de esforço, tenho certeza de que encontrarão, sim, alguém com algo novo para apresentar.

Comentários
×