Batendo Bola: Jogo da vida para o Cruzeiro

José Carlos de Oliveira

 

O momento é um dos piores para Mano Menezes e seus comandados no Cruzeiro. Eliminado da Copa Libertadores pelo River Plate, na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro e vindo de duas derrotas para o Atlético, a vida dos cruzeirenses ficou mais dura do que todos poderiam sequer imaginar.

Copa do Brasil

Somente o sucesso na Copa do Brasil poderá salvar algo pelas bandas da Toca da Raposa. Ou o time se dá bem na competição e parte em busca do hepta, ou a situação ficará ainda pior. Será um ‘deus nos acuda’ para as bandas dos azuis.

Vencer e vencer

E, dentro desta perspectiva, o duelo desta quarta-feira contra o Internacional, no jogo de ida das semifinais, ganhou uma proporção maior do que poderia se esperar, e não há outra alternativa para os azuis que não seja vencer os gaúchos. E, de preferência, com um placar que dê para administrar a partida de volta em Porto Alegre. Ao contrário, o caos se instalará de vez na vida da Raposa.

Sem desculpa

E é bom mesmo Mano ficar sob pressão e tratar logo de colocar suas barbas de molho. É inadmissível a forma como o time estrelado tem atuado. Seu ataque inexiste em campo e, desta forma, as derrotas são apenas o retrato daquilo que não é feito pelo time. Encontrar uma solução para este grave problema é tarefa dele, o treinador, que, por sinal, é muito bem pago justamente para isso.

 

MANGUEIRAS BRASIL

 

Brasil na 2ª posição

Sem o futebol, que nem classificou as seleções feminina e masculina para os jogos Pan-americanos de Lima, no Peru, e com alguns esportes não levando para a competição seus melhores atletas (como é o caso do vôlei, tanto masculino quanto feminino) a equipe do Brasil segue fazendo bonito e tem tudo para bater seu recorde de medalhas em torneios das Américas.

Melhor no Brasil

A melhor participação dos atletas brasileiros em jogos pan-americanos se deu justamente na edição de 2007, quando a competição foi no Rio de Janeiro. O Brasil terminou na terceira colocação no geral, com um recorde de 157 medalhas, sendo 52 de ouro, 40 de prata e 65 de bronze.

Momento

Abrindo a última semana de competições em Lima, nesta segunda-feira, o Brasil começou o dia na segunda colocação do quadro de medalhas, com um total de 72, sendo 22 de ouro, 16 de prata e 34 de bronze, e caminha a passos largos para bater seu recorde, se fizer valer o bom momento que sempre teve no judô, natação e atletismo, próximas competições em disputa.

Quase 100

Se comprovarem todo seu favoritismo nos esportes que começam a ser disputados nesta semana, os atletas brasileiros devem conquistar mais medalhas do que já ganharam até aqui, batendo em números seu melhor momento em jogos Pan-americanos.

Colocação

Agora, para manter a segunda posição já são outros quinhentos. A colocação é feita pelo número de ouros (em primeiro lugar) e a briga deve ser acirrada até o domingo, quando serão realizadas as últimas provas. Até o início da tarde de ontem, o Brasil estava segundo lugar, com 22 ouros, seguido de perto pelo México, com 20, e o Canadá, com 19. Cuba, tradicional adversário, vem na 7ª colocação, com 14 ouros, de um total de 37 medalhas.

Comentários
×