Aumento de cargos e salários na Emop tramita na Câmara

 

 

Da Redação

 Tramita na Câmara de Divinópolis o Projeto de Lei do Executivo Municipal (Plem) 076/2018, que aumenta o número de cargos e salários na Empresa Municipal de Obras Públicas e Serviços (Emop). A proposta prevê um aumento de 25% para o salário de chefe de setor aplicado sobre o salário do diretor geral e passa de 400 para 600 o número de vagas de auxiliar de produção.

O projeto de lei foi protocolado no Legislativo no dia 8 de outubro e já recebeu críticas dos vereadores Adair Otaviano (MDB) e Janete Aparecida (PSD).

Em seu discurso na reunião ordinária dessa terça-feira, 16, a vereadora disse que o Executivo se reuniu com os vereadores para apresentar e explicar a proposta. Segundo Janete, o aumento de salário previsto no projeto de lei beneficiará quatro diretores da Emop.

Em uma época de crise como essa, ainda querem que a gente vote favorável [ao projeto]. Eu duvido que a Casa terá coragem de aprovar isso. Não façam nas entrelinhas. Não se façam de bobos. O que a gente precisa aqui é de aumentar a dignidade para a população. Não é de aumentar salário de diretor nenhum. Chega de fazer o povo de Divinópolis de bobo — reclamou.

O presidente da Câmara criticou o prefeito, Galileu Machado (MDB). Disse que “ele é irresponsável por aportar a proposta na Casa” e citou o escalonamento dos salários dos servidores municipais, feito neste mês pelo Executivo. Adair questionou ainda se os vereadores aprovariam um projeto que aumenta gastos para o poder público e relembrou o aporte de R$ 10 milhões aprovado para a Emop durante o governo de Vladimir Azevedo (PSDB).

— O salário do diretor da Emop hoje é R$ 11.511,65. Hoje o salário de um chefe de setor é R$ 1.726,33. Vão elevar esse salário para R$ 2.8777,88, maior do que o salário de coordenador da Prefeitura. Aí eu pergunto: a situação agora é de mandar projeto que gere gasto para o bolso do cidadão? Se a Prefeitura começou a escalonar pagamento? Eu quero perguntar para o prefeito se ele tem dinheiro para colocar na Emop, caso ela fique ruim das pernas — questiona.

 Prefeitura

 Em nota a Prefeitura alegou que o projeto apresentado vereadores tem por finalidade a correção de distorções salariais. De acordo com o Executivo, ao chegar à Prefeitura, em janeiro de 2017, o prefeito encontrou situações inadequadas na Emop.

O cargo de diretor, por exemplo, tinha previsto um salário maior do que o do próprio secretário da pasta. Naquele momento, então, foi feita uma readequação.

— O salário do cargo de diretor passou a ser o equivalente ao do mesmo cargo na Prefeitura, ato esse que reforça o compromisso do governo.

Ainda segundo a Prefeitura, ao contrário da administração direta, na Emop a vinculação dos demais cargos de chefia não obedecia aos indexadores já estipulados. Assim, os cargos de chefia de setores, que são quatro, ficaram defasados em 50% em relação ao mesmo cargo na Prefeitura.

— Agora, quase dois anos depois, a Emop propõe a correção dessa defasagem. O que só pode ser feito pela Câmara — justifica.

 

 

 

Comentários
×