Aulas suspensas e reuniões canceladas: a rotina de Divinópolis diante do coronavírus

Matheus Augusto

Divinópolis começou a semana assim como o restante do país: de olho na escalada do coronavírus (Covid-19). Conforme informou a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) ontem, o número de casos notificados chegou a 15. Além de um confirmado e três descartados, outras 11 amostras ainda são analisadas. Diante da apreensão e visando evitar a disseminação do vírus, a Prefeitura continua adotando medidas para conter o avanço da doença.

Município paralisado

O prefeito Galileu Machado (MDB) recebeu ontem pela manhã o secretário de Saúde, Amarildo Sousa, para discutir o pacote de ações de enfrentamento ao coronavírus. Uma das medidas definidas foi a suspensão das aulas da rede municipal pelos próximos 20 dias, começando amanhã. O período, no entanto, pode sofrer alterações.

— Observando a evolução da epidemia, a gente pode liberar ou estender a medida — destacou o secretário.

Até o momento, três decretos já foram elaborados. Conforme explicou Amarildo ontem, em coletiva, o primeiro declara Situação de Emergência de Saúde Pública e desburocratiza os processos licitatórios para o enfrentamento do coronavírus.

— Esse decreto coloca a Secretaria de Saúde numa posição mais ágil para a compra de insumos remédios e contratação de profissionais — explicou.

O segundo documento implanta o Comitê Científico de Enfrentamento e Combate ao Coronavírus, composto por enfermeiros, médicos infectologistas e outros profissionais da área. Em encontro semanais, eles debaterão sobre a necessidade de implementar outras ações preventivas na cidade.

— Através deste comitê, serão definidas as ações que o Município terá que desenvolver para o combate à epidemia do coronavírus — completou.

Por fim, o terceiro texto visa controlar as aglomerações na cidade. Com isso, além da interrupção das aulas, a secretaria suspende o funcionamento de clubes sociais, encontros culturais, acesso ao teatro e museus, por exemplo.

— Todas essas atividades ficam suspensas até uma nova avaliação do comitê — contou o secretário.

Outra medida acatada pela Prefeitura suspende a necessidade de servidores com mais de 65 anos comparecerem ao trabalho fisicamente e recomenda aos profissionais com viagens recentes aos locais com alta transmissibilidade da doença que fiquem em casa – sete dias, se não tiver sintomas, e 14, caso contrário.

Além disso, as cirurgias eletivas podem ser adiadas por tempo indeterminado para garantir o número suficiente de leitos no Sistema Únicos de Saúde (SUS).

— A partir do dia 23, estamos suspendendo as cirurgias eletivas, não totalmente. Ela vai passar por uma regulação, onde os médicos observarão a necessidade da cirurgia e do leito para o coronavírus. E também, dependendo da gravidade dessa cirurgia eletiva, ela poderá ser confirmada, mas, se necessário, suspenderemos todas — declarou Amarildo.

Segundo ele, as medidas visam evitar o crescimento alarmante do número de casos na cidade.

— Neste momento, a gente tem que optar pela quebra da cadeia de transmissão do vírus. Não é hora de as pessoas se reunirem para a prática de esportes, festas de aniversários, visitas domiciliares... Esse é um momento de responsabilidade com a sua saúde e com a saúde da sociedade. (...) A gente pede a compreensão de toda a população neste momento de isolamento social. Nós precisamos proteger os idosos, nossos amigos, nossa família e ficar em casa — pediu.

O secretário voltou a ressaltar que Divinópolis encontra-se na fase 2 da doença, quando existe a possibilidade de contágio local, ou seja, não é preciso viajar para o exterior para contrair o vírus. Amarildo ainda reforçou a importância de as pessoas deixarem suas casas apenas em situações necessárias. Caso possível, a recomendação também é de evitar viagens para São Paulo e Rio de Janeiro, dois epicentros da doença.

— As responsabilidades são as mesmas. (...) Só vá [às padarias, shoppings, comércios] se realmente precisar ir. A pandemia chegou, sim. Nós estamos correndo risco, sim, como todo o Brasil — destacou.

Por fim, o líder da pasta disse contar com o bom senso da população e das entidades para evitar a proliferação do Covid-19.

— Nós não instituímos penalidade. A penalidade é a própria contaminação — finalizou.

Quem também esteve presente na coletiva foi a diretora da Vigilância em Saúde, Janice Soares, que reforçou a importâncias das medidas no estágio inicial, quando ainda há poucos casos confirmados e suspeitos.

— Nós já observamos nos países que não tiveram essas medidas, e tiveram realmente esse pico da epidemia, foi muito difícil conter isso nos hospitais. (...) À medida que a gente reduz essa circulação de pessoas com todas essas medidas que nós estamos tomando, diminuímos a proliferação do vírus e o número de casos em um intervalo muito curto. Do ponto de vista coletivo, o vírus é uma catástrofe. Várias pessoas se contaminam, muita gente vai procurar o serviço de saúde porque vai ter dúvidas e isso causa um colapso no serviço. E quem precisar realmente do serviço pode ser que não tenho acesso — pontuou.

Janice ainda ressaltou a importância de restringir o acesso da população aos locais públicos, mesmo que isso signifique impactar na economia local e na liberdade das pessoas, para evitar um prejuízo coletivo ainda maior futuramente. 

— Infelizmente, nós vamos ter que abrir mão de lazeres, de atividades. Vamos interferir um pouco até nas questões econômicas do município. Mas elas serão necessárias, uma vez que nos países que não tomaram essas providências nós tivemos esse pico e, infelizmente, vidas foram perdidas em função da deficiência da assistência — concluiu.

Reuniões adiadas

Seguindo os protocolos emitidos pela Prefeitura e em outras cidades, a última semana terminou e começou da mesma maneira: com anúncios de mais cancelamentos. Uma das entidades que adotou medidas de contenção contra o coronavírus foi a Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e Serviços de Divinópolis (Acid). Seguindo as recomendações da Semusa, a associação determinou o adiamento do Programa Empreender, marcado para o dia 25 deste mês. O atendimento nas sedes na organização continua normalmente.

As reuniões da Associação Comunitária para Assuntos de Segurança Pública (Acasp), que recebem, todas as quartas-feiras, autoridades da área e a população, também foram suspensas por tempo indeterminado.

Universidades

Todas as faculdades federais ou estaduais na cidade também aderiram à paralisação como uma das medidas de combate ao avanço do Covid-19 no estado. O Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG) suspendeu as aulas presenciais (cursos técnicos, graduação e pós-graduação) em todos os campus no estado. O memorando também informa o adiamento de congressos, simpósios, solenidades de formatura, visitas técnicas, eventos comemorativos, científicos, culturais, artísticos, esportivos e outros que envolvam a aglomeração de pessoas. O funcionamento dos restaurantes estudantis será mantido em escala de férias.

A Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg) também determinou ontem medidas similares, como o cancelamento das aulas presenciais a partir de amanhã. Eventos acadêmicos com a presença de mais de 50 pessoas também estão suspensos. Novas orientações serão fornecidas pelo governo de Minas na próxima semana. Os serviços administrativos devem funcionar normalmente, salvo novas orientações do governo do Estado. A instituição informa que “todas as medidas são no sentido de minimizar os impactos futuros da pandemia”.

Por fim, a Universidade Federal de São João del-Rei também interrompe, a partir de amanhã, todas as aulas presenciais de graduação e pós-graduação por tempo indeterminado.

Estado

O governo de Minas Gerais divulgou no último domingo a decisão de suspender as atividades da rede estadual de ensino a partir de amanhã. As aulas estão previstas para voltar no dia 23 de março, como orientado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

O governador Romeu Zema (Novo) também determinou que servidores com viagens recentes aos países com alto índice de transmissão comunitária do vírus não retornem ao trabalho. Com sintomas, o isolamento deverá ser de 14 dias; caso contrário, sete dias. Todas as faltas serão abonadas, sendo mantido o auxílio-refeição ou alimentação. Dentre as outras medidas tomadas pelo Estado estão a suspensão de eventos oficiais, capacitações, treinamentos, viagens oficiais de servidores com mais de 100 pessoas pelos próximos 30 dias.

Esporte

Parte da última rodada do Campeonato Mineiro, em seus módulos I e II ocorreu com portões fechados. Agora, além das arquibancadas, os gramados ficarão vazios. A Federação Mineira de Futebol (FMF) determinou a suspensão das partidas por tempo indeterminado.

Segundo a nota divulgada pela organização, a decisão tem como base as orientações do Ministério da Saúde diante da pandemia do coronavírus (Covid-19) e a determinação da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) de suspender todas as competições nacionais.

As partidas a nível nacional também estão suspensas. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou no domingo o adiamento das rodadas dos campeonatos em andamento: Copa do Brasil, Campeonatos Brasileiros Femininos A1 e A2, Campeonato Brasileiro Sub-17 e a Copa do Brasil Sub-20.

Hospital

A possível disseminação do vírus também tem gerado cuidados extras no atendimento hospitalar. O Complexo de Saúde São João de Deus (CSSJD), Seguindo orientações da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), determinou a suspensão da visita de avós ao Centro de Tratamento Intensivo (CTI) Infantil. A decisão já está em vigor. Conforme já anunciado pela secretaria, pessoas acima de 60 anos têm se mostrado o grupo mais vulnerável ao coronavírus (Convid-19).

Desde o último sábado, 14, apenas pais ou responsáveis poderão visitar o paciente.

— Por meio desta conduta preventiva, o Complexo de Saúde São João de Deus reforça seu compromisso com a saúde de todos os seus clientes e reitera que está preparado contra a possível disseminação do coronavírus — comunicou.

Presídio

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) também restringiu o acesso aos presídios e às unidades socioeducativas em todo o Estado. Conforme a medida implementada pelo órgão, detentos com 60 anos ou mais não podem receber visitas. Os demais detentos poderão ter apenas uma. Além disso, os encontros íntimos, de Organizações Não-Governamentais (ONGs) e entidades religiosas estão suspensos.

Comentários
×