Aulas na rede municipal voltam hoje

Maria Tereza Oliveira

A rede municipal de Educação retornou hoje às atividades. Após 26 dias em greve geral, de muitos protestos e conversas, finalmente a categoria chegou a um acordo com o Município e suspenderam a greve. Com isso, cerca de 14 mil alunos voltam às aulas, assim como os servidores.

O diretor de comunicação do Sindicato dos Trabalhadores da Educação Municipal de Divinópolis (Sintemmd), Gleidson Rogério de Araújo, revelou com exclusividade ao Agora como foi a construção do acordo.

Conforme Gleidson, a Prefeitura já havia feito propostas para a categoria anteriormente, porém, a Educação não as considerou justas.

Consenso

O acordo foi proposto na segunda, 3, e foi negociado entre o Sintemmd e a Prefeitura, com o intermédio do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

Conforme a reportagem apurou junto ao acordo, o salário referente ao mês de outubro ainda dependerá de repasses do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e será dividido em cinco parcelas. A 1ª será no dia 12, a 2ª na véspera de natal, a 3ª no dia 2 de janeiro, a 4ª no dia 12 do mesmo mês e a última no dia 22 de janeiro.

Já o salário referente ao mês de novembro, assim como o 13º salário serão pagos neste mês, porém ainda não foram definidas as datas. E o salário de dezembro será pago em janeiro. Tanto novembro e dezembro, assim como o 13º, não dependerão do Fundeb para serem pagos.

— O acordo estipula que os contratados não sofrerão sansões por terem aderido à greve — reforçou o sindicato.

Greve

Cansados de receber salários atrasados e parcelados, os professores iniciaram a greve no dia 9 de novembro, mas antes chegaram a adotar a operação “Tartaruga” durante poucos dias. A situação dos atrasos nos pagamentos vem se arrastando por meses.

A paralisação inicialmente estava marcada para acontecer durante 120 dias. Ela é consequência dos atrasos dos repasses do Fundeb do Estado para o Município.

Todavia, pouco tempo depois, o Sintemmd revelou que a greve permaneceria até que os salários sejam quitados, podendo se alongar ou ser mais curta que os quatro meses propostos iniciais. Com o acordo fechado, a greve terminou após 26 dias.

Durante este período, os servidores lotaram as reuniões da Câmara, fizeram assembleias e realizaram inúmeros protestos, inclusive na porta da prefeitura.

Tentativas

O Sintemmd revelou que já havia tentado acordos anteriormente com o Executivo, todavia, as propostas apresentadas à educação não foram satisfatórias.

A categoria também se reuniu com diversos vereadores para buscarem apoio para solucionarem os problemas.

Tentando uma solução, finalmente na segunda, 3, os representantes da categoria participaram de uma audiência de conciliação para tentar chegar à um consenso. Após repassar as propostas que foram aceitas pelos servidores da pasta.

Volta às aulas

A greve oficialmente chegou ao fim ontem  e hoje todas as unidades retornaram com suas atividades.

Ainda hoje, o novo calendário para reposição das aulas será debatido pelo Sistema de Ensino e Sintemmd.

Prefeitura

Além das preocupações com a greve e da situação dos professores, os alunos também estavam preocupados com a vida escolar. Dentre eles, os estudantes do 9º ano eram os mais aflitos, pois não sabiam se conseguiriam se matricular no próximo ano. Isso porque a rede municipal não oferece turmas do Ensino Médio.

Porém, com o fim da greve, parece que os alunos podem ficar despreocupados com isso. Pelo menos é o que afirma a Prefeitura.

— A Secretaria Municipal de Educação (Semed) já iniciou os contatos com a categoria para ajustamento dos detalhes da reposição de aulas, dentro do que é estabelecido pela legislação pertinente, sem nenhum prejuízo aos estudantes — garantiu.

Comentários
×