Assim, não!

Essa é a sensação que Divinópolis tem em relação ao prefeito Galileu, principalmente seus eleitores. Há menos de um mês, demonstrando preocupação com as contas públicas, o prefeito exonerou todos os comissionados e pediu aos munícipes que não pagassem o IPVA para que tal verba não fosse repassada para o ex-governador Fernando Pimentel (PT). Embora os demitidos fossem na grande maioria concursados, viu-se aí surgir a esperança de que Galileu havia entendido que a prefeitura precisaria enxugar as contas. Ledo engano! Através do Decreto 13.101/2019, Galileu chamou praticamente todo mundo de volta e ainda criou o cargo de assessora especial de Assuntos Comunitários para Patrícia Conceição Elias Coelho, que deixando de ser diretora, teve aumento de poder e salário.

 Decreto 13.101/2019

Dando uma lida no referido decreto, vê-se que o interesse pessoal se sobrepôs à técnica, pois a maioria dos cargos ali são obsoletos. É preciso lembrar ao prefeito que a ordem do presidente é reduzir o custo da máquina pública. Se cada um não fizer a sua parte essa nação jamais encontrará o rumo. Revoga Galileu! Reduza Galileu! Economize Galileu!

Aplicativo de carona

O aplicativo de carona tem preocupado os sindicatos dos taxistas e não sem razão, pois é possível fazer trajeto muitas vezes pela metade do preço. O taxista tem ponto fixo na maioria das cidades e o aplicativo para onde achar melhor. Os aplicativos começaram com o Uber e depois surgiram as adaptações. Em Divinópolis surgiu o XCar que segundo os idealizadores, foi criado com o objetivo de atender o cliente divinopolitano. É o Uber com jeitinho de pão de queijo. 

Carona compartilhada

Mas, se estava ruim para os taxistas, a tendência é piorar, pois além de preços mais acessíveis, adaptações ao estilo da cidade, o aplicativo de carona oferece o serviço compartilhado, ou seja, se alguém for fazer o mesmo percurso, o valor pode ser dividido se assim os passageiros quiserem. Ganham os passageiros, ganha o condutor. Está na hora dos sindicatos dos taxistas reagirem, mas não contra os aplicativos como têm feito, mas sim revendo sua forma de trabalhar e preços ofertados, enquanto ainda têm mercado. É preciso lembrá-los que a Kodak tinha o projeto da câmera digital e engavetou. Se antigamente todos tinham uma câmera Kodak, hoje ninguém se lembra da marca. 

Diferença

Na coluna da semana passada constou “Encerra o mandado de Carlos Alberto Faustino à frente da 48ª Subseção da OAB.” O correto é “Encerra o mandato.” Mandado significa ordem judicial ou administrativa e mandato significa procuração, delegação. Quando votamos em alguém estamos passando uma procuração, delegando poderes para que essa pessoa aja em nosso nome. Por isso, presidente, governadores, prefeitos e parlamentares eleitos agem em nosso nome, mas, nem por isso, podem fazer o que bem entendem. É preciso que estejamos sempre vigilantes.

Comentários
×