Após Kalil dizer que não pode impedir o Carnaval, Cleitinho critica “hipocrisia” de prefeito por restringir o funcionamento do comércio

Da Redação

Em vídeo nas redes sociais, o deputado estadual Cleitinho Azevedo (Cidadania), após defender não ser contra o Carnaval, questionou a fala do prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), que afirmou não ter como proibir as pessoas de celebrar a festividade no próximo ano. A crítica de Cleitinho foi direcionada ao fato do prefeito ter imposto medidas restritivas ao funcionamento do comércio na cidade: "proibiu as pessoas de trabalharem por longo período durante a pandemia do coivd-19".

Segundo o deputado, o Carnaval é importante data para movimentar a economia através da geração de renda e emprego. Neste sentido, ele defendeu que o mesmo se aplica ao comércio, responsável por ser o "ganha pão" de muitas famílias. 

— É hipocrisia dizer que a festa pode acontecer e depois fechar estabelecimentos que recebem um número muito menor de pessoas se comparados a um bloco de carnaval — afirma Cleitinho.

No vídeo, ele ainda desafia prefeitos e governadores a não fecharem o comércio depois após o fim do Carnaval, em referência ao possível aumento de casos pela aglomeração.

Como argumento, o parlamentar cita que, em 2019, aproximadamente 5 milhões de mineiros participaram da folia. 

—  Dificilmente um estabelecimento comercial tem mais do que duas ou três pessoas ao mesmo tempo fazendo suas compras, o que mostra uma grande ironia em se impedir o trabalhador de buscar seu sustento, mas deixar que se aglomere nas ruas para participar de uma festa —  reforçou a assessoria do deputado.

Comentários
×