Após atingir maior valor da história, refeição a quilo cai

 

 

Pablo Santos

A refeição fora de casa aliviou no bolso do consumidor divinopolitano em outubro.  O self-service e a comida sem balança registraram queda na média de preços. Os dados são do levantamento mensal do Núcleo de Pesquisas Econômicas (Nupec) realizado no período de 5 a 15 de outubro em 20 restaurantes da cidade.

Foram avaliados os valores médios pagos pelas refeições em estabelecimentos comerciais que oferecem prato feito, self-service e comida sem balança. De acordo com os pesquisadores, o valor médio reflete os gastos com uma refeição completa, composta por prato principal.

A média da refeição sem balança caiu 5,88% em outubro na comparação com setembro. Nos restaurantes analisados a refeição era servida a R$ 11,33 e passou para R$ 10,66. No menor valor é cotado a R$ 7 e, no maior, a R$ 15,99. Durante três meses, o preço da refeição sem passar pela balança estava estagnado nos R$ 11,33. 

O preço da refeição servida por quilo recuou em outubro depois de atingir o maior valor da história em setembro. De acordo com a pesquisa, a queda foi de 3,38%. Em setembro estava cotada nos restaurantes da cidade a R$ 42,15, em média, o quilo. Agora, a refeição está custando, segundo a pesquisa, R$ 40,73, em média. O menor valor do ano é de R$ 39,93, alcançado em abril e maio. No menor preço é possível encontrar a refeição por R$ 29,90 e, no maior, a R$ 49,90.

PF 

Apesar do self-service e a refeição sem balança apresentarem retração em outubro, o prato feito registrou aumento. De setembro a outubro, o quilo da refeição passou de R$ 11,98 para 12,67, ou seja, acréscimo de 5,78%, segundo a pesquisa.

Com esse valor, o PF chegou ao segundo maior preço no ano. Em janeiro, o prato feito estava cotado, em média, a R$ 12,70. O maior valor do PF da série histórica foi em dezembro do ano passado: R$ 13,73, em média.

Em outubro, o PF era encontrado nos restaurantes da cidade a R$ 9 a 18, conforme a pesquisa.

 

 

Comentários
×