Apenas mais uma eleição?

Editorial 

A instabilidade na política em ano eleitoral às vezes chega a ser inacreditável, para não falar bizarra. As situações mudam em um piscar de olhos e, como tudo na vida, costumam agradar e desagradar. Realidade constatada em cada eleição. Desde o início de julho, Divinópolis vive a expectativa da formação do cenário político eleitoral deste ano, e a coisa parece estar difícil de “clarear” para o eleitor. Os divinopolitanos foram surpreendidos – ou não – nesta quarta-feira, 9, com a confirmação de que Jaime Martins (DEM) não é mais pré-candidato a prefeito de Divinópolis. O ex-deputado federal justificou sua saída por “razões familiares e questões pessoais”. Segundo o agora ex-pré-candidato a prefeito da cidade, ele retira seu nome para apoiar a pré-candidatura de Fabiano Tolentino (CDN). Paralelo a isso, alguns nomes já se consolidaram, e outros devem ser confirmados até a próxima terça-feira, 15, quando se encerra o prazo das convenções.

Na “fritada dos ovos” o divinopolitano terá que ter muita paciência, afinal, muita coisa ainda pode mudar neste jogo, que é como uma “nuvem passageira”. Mas, enquanto o cenário não é formado de vez, o eleitor terá tempo de sobra para fazer seu dever de casa, e depois não reclamar. É como dizem por aí, “cada povo tem o político que merece” e, se em 2021 as escolhas não forem das melhores, só restará à população sentar e refletir sobre suas escolhas, pois os 17 vereadores e os chefes do Executivo escolhidos serão apenas o reflexo de suas opções. De nada vai adiantar não estudar, não entender, acreditar no primeiro que falar o que se quer ouvir, e depois, quando tudo estiver indo de mal a pior, ir para as redes sociais reclamar. Um velho ditado já alerta: é melhor prevenir do que remediar. 

Até que o panorama se forme de vez na próxima quarta-feira, e nas homologações das candidaturas no dia 26, o eleitor terá que analisar o comportamento dos pré-candidatos. Por exemplo: diversos bairros nas regiões periféricas da cidade sempre sofreram com a falta de saneamento básico e asfalto. Em alguns locais há mais de duas décadas. Os moradores, que convivem diariamente com esgoto escorrendo a céu aberto, com mau cheiro em suas casase poeira em época de seca, e lama em época de chuva –, já perderam as contas de quantas promessas de melhorias foram feitas por candidatos em época de campanha e, claro, perderam também a esperança. Mas bastou chegar o período eleitoral que já tem pré-candidato “revoltado” com a situação. São estes, que hoje vão a estes locais fazer promessas, que se dizem renovação. Ou seja, discursos e promessas que nem passam perto de serem cumpridos. 

Dizem por aí também que você deve ser a transformação que quer ver no mundo. Então, sair acreditando no primeiro discurso não é o melhor caminho. Para postar fotos e vídeos com discursos “revoltados” é necessário ter feito pelo menos algo pequeno para mudar essas realidades, é preciso apontar ao menos a luz no fim do túnel, e que seja possível concretizá-la, senão é só o mais do mesmo. Até a última semana deste mês, muita coisa pode mudar na cidade, mas a única que deve permanecer intacta é o desejo do divinopolitano de mudar Divinópolis. Para isso, será necessário um pouco de esforço, senão será apenas mais uma eleição e uma cidade com a mesma expectativa à espera de promessas que não se concretizam. 

 

Comentários
×