Alma de mulher

Escrevo este texto no dia Internacional da Mulher e nada mais oportuno de que prestar uma homenagem a todas as damas que têm a missão no mundo de “saber florir onde a vida lhe plantar”, acrescento que as mulheres têm a capacidade de exalar seu perfume de graciosidade e generosidade e oferecer para o mundo.

Se observarmos bem, a natureza se expressa de forma harmônica, existindo uma dualidade onde encontramos o frio e o calor, a lua e o sol, a mulher e o homem.  Os orientais falam de yin e yang, feminino e masculino, respectivamente, em que a soma dos dois, significaria Tao, como harmonia do todo.

Imaginem, como exemplo, a possibilidade da existência apenas do dia e não mais da noite ou vice-versa. Diria que seria impossível continuarmos vivendo em harmonia conosco mesmo.  Poderíamos relacionar o dia com o trabalho e a noite com o descanso. Qualquer um dos dois extremos que assumamos nos levaria à morte.

Esta consciência das leis que regem toda a natureza, nos traria um esclarecimento para vivermos de forma mais equilibrada e feliz. Por isto, acredito que a filosofia à maneira clássica seja uma ferramenta fundamental para compreendermos qual a justiça inerente a cada coisa. Diria, inclusive, que a justiça não dependeria das nossas opiniões, mas, sim, que será imperativa sobre os ditames da natureza.

Por acaso escolhemos nascer em um corpo masculino ou feminino? Não sendo fruto da nossa escolha. Considerado isto, não seria difícil que compreendamos que fazemos parte de uma vontade divina, baseada em leis que nos permitam cumprir com nossa missão evolutiva nesta vida.

Considero, portanto, homem e mulher como dois atributos inseparáveis da natureza, visto que um não existe sem o outro. Entendo que todas as formas, mesmo com diferentes facetas partem de uma mesma essência Divina, porém UNA e/ou única.

Como este texto se volta para a alma feminina, acreditando que possa assumir sua verdadeira missão como damas, e refletindo de sua alma muito mais além de que qualquer busca de igualdade física entre coisas eternamente diferentes e complementares.

As mulheres terão sempre a capacidade de se despertarem como almas, provocando a união entre as pessoas. A mitologia relaciona a mulher não somente com a harmonia dos lares, mas também dos templos sagrados.

Entretanto como nos ensina a Filosofia Natural, qualquer coisa que tem uma vocação ou destino e deixa de cumpri-lo, acaba por deixa de ser. Por isto, devemos buscar sempre esta memória daquilo que verdadeiramente somos.

Professor e filósofo à maneira clássica
Elismar José Alves
Av. Sete de Setembro, 1340, sala 200, Centro
Divinópolis, MG - CEP 35.500-011.
Tel.: 37 3221-5271/99197-9383
www.nova-acropole.org.br

Comentários
×