Alerta para perigos de dietas mirabolantes

Maria Tereza Oliveira

Com a aproximação do verão, as pessoas costumam usar roupas que expõem mais o corpo e, com isto, aumenta a incidência de pessoas que apelam para dietas que prometem ter resultados imediatos. Essas dietas levantam debates sobre a luta para se encaixar em padrões.

Muito além da aparência estética, caso não tenha acompanhamento de profissionais, dietas podem ser perigosas e trazer consequências para a saúde do corpo e também da mente.

Relatos

A dona de casa Jéssica Cássia de Oliveira Reis, 24, disse à reportagem que já tentou diversas dietas, mas uma em especial deu mais certo.

— Antes de engravidar, eu perdi 14 quilos em um mês. Para isso, cortei o pão, macarrão, arroz, refrigerantes e cervejas — explicou.

Reis relatou que comia frutas, feijão com legumes, tomava apenas chás e água, e, além disso, caminhava e corria todos os dias. Ela fez essas mudanças por conta própria.

— Interrompi a dieta quando descobri que estava grávida. Depois tive dificuldades em voltar, cheguei a retomar recentemente, mas como estamos próximos das festas de fim de ano, eu resolvi dar uma pausa — explicou.

Jéssica justifica que, apesar de já ter feitos dietas várias vezes, após a gravidez, quando ganhou 25 quilos, o desejo de emagrecer aumentou.

— Mas também fiz isso para ter uma vida mais saudável. Apesar de que, reconheço o quão pode ser perigoso adotar dietas sem consulta a um profissional, já que há casos de pessoas que quase morrem por querer emagrecer — alertou.

A enfermeira Alyne Araújo, 27, contou sobre duas dietas radicais que ela já fez: a da proteína e do ovo.

— Na da proteína você come apenas carnes e derivados do leite, não pode ingerir nenhum tipo de verduras, vegetais ou frutas, e alguns embutidos. Não tem quantidade certa, pode comer à vontade. Já na dieta do ovo, pode-se comer apenas ovo, mais nada, além de tomar chás — explicou.

De acordo com Alyne, a maioria das pessoas que faz este tipo de dieta não tem acompanhamento, pois são contraindicadas e não fazem bem.

— É uma sensação falsa de emagrecimento, pois seus efeitos não são em longo prazo. Por isso, os nutricionistas indicam a reeducação alimentar — revelou.

Ela contou que, embora tenha percebido efeitos imediatos, após um tempo podem acontecer duas coisas.

— Por serem muito restritivas, é muito difícil mantê-las por algum tempo. Além disso, mesmo se a pessoa conseguir perseverar na dieta, ela não faz mais tanto efeito — destacou.

Para Alyne, por essas dietas terem baixo teor de carboidratos e nutrientes, ela sentia frequentemente fadiga, cansaço e a falta de ânimo.

— As pessoas não querem emagrecer, elas querem ser emagrecidas, e eu não fui diferente. Queria uma fórmula mágica para emagrecer rápido e sem exercício físico — justificou.

Corpo

A nutricionista Jéssica Paracatu destaca os problemas de aderir a estas dietas.

— As pessoas querem emagrecer em pouco tempo, principalmente nesta época do ano. Normalmente a gente encontra nas redes sociais diversas dietas inusitadas. A principal característica delas vai ser a restrição de determinado alimento, principalmente carboidratos ou gorduras — contou.

De acordo com a profissional, é comprovado cientificamente que a restrição de carboidratos faz com que o corpo diminua a energia e emagreça rapidamente. Porém, essas dietas são utilizadas em curto prazo, pois não é viável sustentá-las por muito tempo.

— Além disso, em curto prazo, a pessoa pode ter complicações durante a dieta, como fome, tonteira, fadiga, fraqueza, dificuldade de concentração e raciocínio, pois o corpo precisa de carboidratos. E caso a dieta seja feita por períodos longos, as complicações podem ser mais graves — alertou.

Jéssica destaca que o método mais seguro e eficaz para emagrecimento é através de mudanças de hábito.

— A pessoa precisa unir uma reeducação alimentar com a prática de atividades físicas. São as duas chaves: o balanceamento de calorias e o gasto calórico — explicou.

Ela afirma que, além de emagrecer de forma saudável, este método evita o “efeito sanfona” que prejudica o metabolismo e, se feito repetidas vezes, dificulta o emagrecimento.

Riscos

Além das consequências em curto prazo, já mencionadas, fazer estas dietas pode culminar em uma série de problemas.

— Em longo prazo pode trazer uma deficiência de várias vitaminas e, consequentemente, a pessoa vai sofrer com queda de cabelo, unhas, problemas renais e no fígado — alertou a nutricionista.

Por isso, Jéssica destaca a importância de sempre ter um profissional auxiliando na dieta.

— Às vezes o que dá certo para uma amiga, não dá para você. Cada corpo é diferente e tem necessidades específicas. O nutricionista vai considerar suas características naturais e calcular tudo de acordo com as necessidades — esclareceu.

Ditadura da magreza

Tema recorrente nos últimos tempos, cada vez mais se questiona sobre a ditadura da magreza e os padrões de beleza impostos pela sociedade. Esses foram os principais motivos, de acordo com as entrevistadas, para se sujeitarem a estes tipos de dietas.

Para as duas, um dos reflexos da ditadura da magreza são as vitrines das lojas.

— Chego a uma loja, peço a minha numeração, já me falam que não vendem tamanhos especiais — lamentou Jéssica Reis.

As roupas mais bonitas são todas de um tal “tamanho único”. Não sei para que pessoas, na realidade, elas são feitas. Porque cada um tem um tamanho diferente, não existe um tamanho único — protestou Alyne.

Para Alyne, as pessoas se tornaram escravas desses padrões e falta mais representatividade de outras belezas.

— Muitas vezes já escutei pessoas dizerem: “Seu rosto é lindo”. Espera aí, meu corpo também é, só não esta nos padrões do tamanho 36 — finalizou.

Comentários
×