Acusado de matar irmã em Divinópolis fica só um dia preso

 

Gisele Souto

Indiciado por homicídio doloso, por ter matado a irmã, Vitória Castro Silva, 16, Walter Castro Silva, 19 anos, está solto. Na verdade, ele nem chegou a ficar preso, tendo em vista que sua prisão foi decretada no dia 22 de fevereiro, nove dias depois do crime, e saiu no dia seguinte, 23.

A Polícia Civil concluiu o inquérito que investigou a morte da adolescente no dia 22, quando chegou à conclusão de que o irmão a matou, não se configurando em acidente, como ele alegou em depoimento anterior.  Ela foi atingida por um tiro, no apartamento onde moravam no Icaraí. No momento, só havia os dois no local. No dia 23, ele já estava livre, porém a Secretaria de Estado de Segurança Pública informou não ter encontrado o nome do acusado no sistema, o que significa que, talvez, ele nem tenha dormido no presídio Floramar.

A pena para o crime, segundo a PC, é de 6 a 20 anos e Roger poderá responder ainda por fraude processual, por ter tentado apagar as provas do crime.

Caso

Roger atingiu a irmã no dia 12 do mês passado com um disparo de arma de fogo calibre 32. O caso aconteceu por volta das 16h50.

Em princípio, a adolescente ficou internada em estado grave no CTI; a morte foi confirmada no dia 15, por volta das 12h50.

Inicialmente, havia sido divulgado em alguns grupos de redes sociais que ela havia sido ferida por dois disparos. Mas a perícia médico-legal confirmou apenas um tiro.

Contradição

Inicialmente, o irmão alegou que Vitória havia levado um tiro na porta de casa, numa tentativa de assalto. No entanto, mudou a versão depois que um projétil foi encontrado por uma perita na sala da casa.

No momento, ele havia alegado que estava no quarto, limpando a arma de fogo, quando sua irmã chegou de repente e houve um disparo acidental.

 

Comentários
×